Jornal do Commercio
Clássico

Grupo apresenta 'O Doente Imaginário' no Teatro Eva Herz

Peça entra em cartaz neste sábado (15) e segue até 30 de setembro

Publicado em 14/09/2018, às 19h58

Texto foi o último escrito pelo dramaturgo Molière / Divulgação
Texto foi o último escrito pelo dramaturgo Molière
Divulgação
JC Online

O Doente Imaginário, de Molière (1622 - 1673), ganha mais uma versão pernambucana. Com direção geral de Max Almeida e direção de elenco de Marcos Portela, a obra entra em cartaz a partir de sábado (15), às 20h, no Teatro Eva Herz (Livraria Cultura do RioMar), com sessões também aos domingos, às 18h, até o dia 30 deste mês.

A peça tem como personagem principal um hipocondríaco (Argan), um velho rico,carente e avarento burguês, sempre com mania de doenças e quer casar sua filha com um médico, Tomás Disafôros, somente para economizar nas consultas e receitas.



ELENCO

O elenco da obra é formado por Marcos Portela, Priscila Leal, Daniella Rodrigues, Lene Santos, Cristiano Primo, Marcos Zé, Neluce Sedicias, Clovis Moreira Jr, Larissa Martins, Jefferson Rozendo.

Os ingressos da peça custam R$ 40 e meia R$ 20 (meia) à venda na bilheteria do teatro e neste site


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM