Jornal do Commercio
Notícia
GARANHUNS

Miguel Falabella abre o FIG com a peça 'O Som e a Sílaba'

A montagem aborda a construção de uma relação profissional e de amizade entre uma jovem com autismo e sua professora de canto

Publicado em 18/07/2019, às 15h02

A peça 'O Som e a Sílaba' / Divulgação
A peça 'O Som e a Sílaba'
Divulgação
Márcio Bastos

O Som e a Sílaba, peça escrita e dirigida por Miguel Falabella, abre a programação do 29º Festival de Inverno de Garanhuns, hoje, às 19h, no Teatro Luiz Souto Dourado. O trabalho reúne no palco as atrizes Alessandra Maestrini e Mirna Rubim e aborda a construção de uma relação profissional e de amizade entre uma jovem com autismo e sua professora de canto.

A relação de amizade entre Falabella e as atrizes não é recente: Mirna foi professora de canto do ator, dramaturgo e diretor, além de ter trabalhado com ele no musical A Gaiola das Loucas. Sobre Alessandra, Miguel diz que ela lhe chamou a atenção desde que surgiu no cenário artístico e, por isso, logo que teve a oportunidade a chamou para trabalhar no humorístico Toma Lá, Dá Cá. Escrito especialmente para as duas, O Som e a Sílaba coroa essa admiração entre o trio.

“O que pouca gente sabia eram os dotes líricos da Alessandra. Como gosto muito de ópera, um dia soube que ela era uma soprano absoluta e marquei um dia para ouvi-la na casa da Mirna. Nessa tarde, ouvindo-a cantar, começou a nascer O Som e a Sílaba. Acredito que as ideias estão por aí, no ar, e a gente precisa juntá-las. Estava muito interessado na questão do autismo, especialmente nos savant, que são autistas altamente funcionais, e pensei em juntar esse tema com a questão musical. Acho que essa é a gênese da peça: falar de seres de exceção que buscam a perfeição porque o canto lírico exige isto”, explica Falabella.

Na peça, após perder os pais, Sarah Leighton (Maestrini), cantora diagnosticada com autismo, busca a ajuda da professora de canto Leonor Delis (Rubim). Juntas, elas passam a se ajudar no enfrentamento de questões emocionais e do cotidiano, em um processo de superação a partir da sororidade e da música.

Para abordar com fidelidade e respeito a temática, Falabella e as atrizes fizeram uma pesquisa intensa com o assunto e contaram com auxílio de pessoas com transtornos psicológicos. Em consonância com a vivência das personagens, a trilha sonora é marcada por números ligados à música clássica.



“É como se os números musicais, de certa forma, acompanhassem a narrativa dramática. Não à toa, a trama da professora, que é uma ex-cantora, uma ex-primadonna, cuja vida foi roubada pela própria filha, assim como a personagem autista, que vive de favor na casa do irmão, com uma cunhada que tem horror a ela, são histórias muito solitárias, mas que, em algum lugar, se encontram na música”, complementa o diretor.

Falabella ressalta ainda a importância de participar de um evento como o Festival de Inverno de Garanhuns, que reúne diferentes linguagens artísticas e formas de ver o mundo. “Este tipo de evento obriga a população veja novas manifestações e novas maneiras de se olhar a vida”, afirma; e, por isso, os eventos públicos para estas ações são fundamentais.

OUTROS PROJETOS

O prolífico artista, sempre com projetos na televisão, teatro e cinema, vai apresentar dois novos trabalhos em breve: Uruguai, filme dirigido por ele e protagonizado pela espanhola Carmen Maura, que estreará no Festival de Gramado, e a série Eu, a avó e a Boi, que ele escreveu e será exibida na Globoplay.

Toda a programação do Festival de Inverno de Garanhuns é gratuita e os ingressos para as peças são disponibilizados horas antes, no Teatro Luiz Souto Dourado, estando sujeitos à lotação do espaço.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM