Jornal do Commercio
TEATRO

As Muitas Faces de Valdi Coutinho

Documentário revê trajetória da carreira diversificada do jornalista, ator, dramaturgo, pintor, carnavalesco e otras cositas mas.

Publicado em 15/01/2020, às 14h23

Valdi Coutinho / Divulgação
Valdi Coutinho
Divulgação
Ernesto Barros

Jornalista esportivo, crítico de teatro, dramaturgo, ator, escritor, professor, pintor, carnavalesco e religioso. Foram tantas as ocupações de Valdi Coutinho, 75 anos, que não teve jeito se não chamá-lo de múltiplo. E Múltiplo Valdir é o nome do documentário que será exibido nesta quarta (16/1), às 19h, no Teatro Marco Camarotti, no Sesc Santo Amaro, dentro programação do Janeiro de Grandes Espetáculos.

Formatado originalmente como um programa para a TV, o filme estreia com a presença de Valdi. Vítima de três AVCs, ele se locomove com dificuldade, mas a mente e a fala estão em perfeita ordem. “Atualmente, ele está falando melhor do que quando gravamos as entrevistas para o documentário”, aponta Rafael Coelho, que dirigiu, roteirizou e montou o documentário. A produção é de Cláudia Moraes, sócia de Rafael e de Amaro Filho na Página 21, a partir de um projeto aprovado pelo Funcultura.

Envolvido com o teatro desde criança, atuando em peças infantis encenada no seminário, Valdi escapou de ser padre. A recriação de uma cena de sua infância no palco, quando foi chamado de lindo pela plateia feminina, abre caminho para ele contar memórias íntimas. Conta que duas tias queriam a todo custo que ele seguisse a carreira eclesiástica, mas a falta de vocação fez com que trilhasse outros caminhos. Ao assumir a homossexualidade, por volta dos 20 anos, deixou para trás muito anos vividos na clausura dos seminários. “O seminário foi bom pra mim porque me reprimiu muito. E isso me fez um camarada autêntico, de convicção, de lutar pelas coisas que eu acreditava”, revela.

JORNALISMO

Se a igreja perdeu um sacerdote, o mundo ganhou, claro, um homem com imensa vontade de viver e criar, o múltiplo Valdir. Com um memória excelente, ele lembra dos anos iniciais dedicado ao teatro, no TAP – Teatro de Amadores de Pernambuco e quanto tentou arrumar um emprego no Jornal do Commercio. “Quando cheguei lá, um jornalista me deu uma pauta para eu localizar Nelson Ferreira e perguntar se ele iria lançar alguma música pro Carnaval. Eu levei uma semana para localizá-lo. E quando voltei o jornalista me disse que era para entregar a matéria naquele dia”, recorda às gargalhadas.



O desacerto inicial, no entanto, foi vencido ao tentar a sorte no Diario de Pernambuco, onde trabalhou durante cerca de 30 anos, com repórter esportivo, crítico e colunista de teatro. A partir dessa vivência diária no jornalismo, Valdi foi se multiplicando como dramaturgo, escritor, pintor e carnavalesco (ele assumiu o Baile dos Artistas depois de dois anos de assessoria de imprensa).
Além de Valdir contar sua própria história, o documentário reúne testemunhos de colegas de trabalho, discípulos e admiradores. No jornalismo esportivo, ele cobriu quatro Copas do Mundo e uma Olimpíada, como lembra o companheiro de redação Claudemir Gomes.

TEATRO

Mas, sem dúvida, é no teatro que ele deixou uma marca forte, principalmente em virtude da divulgação de peças e de grupos na coluna Cena Aberta, como também no cursos e coletivos que criou, como o TEO – Teatro Experimental de Olinda.
Companheiros de jornada e alunos, entre eles o diretor José Manoel, o ator e jornalista Manoel Constantino, a atriz Anamaria Sobral, o performer Júlio Cesar e o pesquisador e historiador Leidson Ferraz, atestam a importância de Valdi durante cerca de 30 anos de cena teatral pernambucana.

Para Rafael, que já realizou várias cinebiografias – entre elas a do cineasta Simião Martiniano –, fazer Múltiplo Valdi foi um das experiências mais ricas. “Além da memória, ele tem um acervo pessoal muito grande, repleto de fotografias e recortes de jornal”, afirma o cineasta.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM