Jornal do Commercio
Exposição

Rafael Campos Rocha pede uma licença poética a Deus

Mostra de cartuns e vídeos do artista é inaugurada no Mamam no Pátio

Publicado em 01/04/2011, às 20h37

Obra de Rafael provoca uma pane no senso comum, no Pátio de São Pedro / Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Obra de Rafael provoca uma pane no senso comum, no Pátio de São Pedro
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Diana Moura

Se você tivesse o poder de recriar Deus, como você o faria? Ou, melhor dizendo, qual a imagem que o Todo-Poderoso tem para você? Para o cartunista paulista Rafael Campos Rocha deus é uma negra, bissexual, totalmente liberada, casada com um cara cuca fresca chamado Carlos. Com personagens de caráter pouco convencional, para dizer o mínimo, os quadrinhos do artista são publicados no seu blog, no fanzine eletrônico O poder do pensamento negativo – Como destruir a sua vida e das pessoas que você ama em duas lições, na revista Piauí, na Folha de S. Paulo e em outros veículos Brasil a fora. Hoje, ele inaugura uma mostra no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães no Pátio de São Pedro, com a exibição de cartuns e vídeos. Todos professam a liberdade de pensamento como matéria-prima para histórias tão divertidas quanto inusitadas.

Segundo o próprio artista, a exposição que acontece no Recife é um registro do seu trabalho, que, na verdade, acontece na internet. “A ideia é falar mal. Não tenho preferência por cor, credo, raça, preferência sexual. Detesto todos igualmente, inclusive a mim mesmo”, avisa Rafael, que é personagem de algumas de suas criações.



Para ver a exposição apresentada pelo cartunista, o público deve ir de espírito desarmado. Primeiro porque as histórias exigem desprendimento em relação às verdades que cercam o mundo e são incutidas nas pessoas desde o nascimento. Depois, porque senso de humor e vontade de se surpreender é algo essencial para aproveitar as criações de Rafael.

Sujeitos muito suscetíveis certamente vão ficar chocados. E também vão deixar de aproveitar os deliciosos vídeo-textos do artista sobre arte e futebol. Crítico de arte – ênfase no crítico –, Rafael consegue tecer relações inteligentes entre mestres da arte a gênios do futebol. De Lionel Messi, ele disse, comparando o jogador ao pintor polonês Wilhelm Sasnal: “Perto dele, a simplicidade de Volpi parece uma afetação. (...) Seus dribles têm a soberania do corpo sobre a mente, da técnica sobre a história”.

Serviços

Exposição de Rafael Campos Rocha, no Mamam do Pátio de São Pedro - desta sexta (1/04) a 20 de maio




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM