Jornal do Commercio
MEMÓRIA

Raul Córdula prepara livro sobre as artes visuais em Olinda

"Utopia do olhar" mostra momentos importantes da cidade na qual ele escolheu viver

Publicado em 23/04/2013, às 08h09

 / Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Eugênia Bezerra

"Não estou fazendo muito mais do que devolver", afirma o artista plástico e professor Raul Córdula sobre o livro Utopia do olhar. Na publicação, este paraibano apaixonado por história, especialmente pela história da arte, toca em pontos importantes das artes visuais de Olinda, cidade que escolheu para viver. O projeto foi aprovado no Funcultura e o lançamento está previsto para o mês de maio. Os exemplares da primeira edição serão distribuídos em locais como museus e galerias.

Raul nasceu em Campina Grande e, em 1960, fez sua primeira exposição individual na Biblioteca Pública de João Pessoa. A relação do artista com Olinda começou cedo. "Eu pegava um ônibus em João Pessoa e vinha para Olinda no início dos anos 1960, havia uma série de ateliês no Amparo. Eu descia no Varadouro, tomava cerveja e ia para a Ribeira dançar coco. Pegava o ônibus de volta às 6h, a gente ia dormindo. A minha aproximação com Olinda vem de muito tempo, minha irmã Risoleta (crítica e curadora) começou a me apresentar aos artistas", afirma Raul, que atualmente trabalha em um ateliê no Varadouro.

"Venho escrevendo estas crônicas há 30 anos e notei que, de repente, tinha esta linha do tempo e resolvi fazer o livro. A geração que começou esta história aqui em Olinda agora tem cerca de 80 anos ou mais. Guita Charifker, Samico, Baccaro, Tereza Costa Rêgo, Maria Carmem... Antenor (Vieira de Melo, que faleceu em fevereiro) foi uma perda violenta para nós. Mas ele deu uma entrevista fantástica para mim, superentusiasmado, ele estava no pique", comenta Raul que, neste processo de preservar momentos cruciais na história das artes da cidade também reuniu material para outro livro que pretende lançar, Olindenses.

O texto completo está no Caderno C desta quarta-feira (23/4), no Jornal do Commercio.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM