Jornal do Commercio
HISTÓRIA

Galeria Amparo 60 completa 15 anos

Marchande Lucia Costa Santos prepara as comemorações e comenta a trajetória do espaço que começou a construir com a mãe, Janete Costa

Publicado em 08/08/2013, às 06h00

No escritório de Lucia as obras de arte, livros e catálogos dividem espaço com móveis desenhados por Janete Costa (na foto em preto em branco) / Edmar Melo/JC Imagem
No escritório de Lucia as obras de arte, livros e catálogos dividem espaço com móveis desenhados por Janete Costa (na foto em preto em branco)
Edmar Melo/JC Imagem
Eugênia Bezerra

Um relacionamento em que os envolvidos não sabem dizer ao certo há quanto tempo estão casados, pois não houve algo para formalizar a união. A analogia é usada pela marchande Lucia Santos para falar sobre como a Amparo 60 se transformou na galeria de arte que completa 15 anos em 2013. Mesmo considerando uma exposição individual do artista Eudes Mota, em 1998, como marco da mudança de loja de objetos de decoração e antiquário para galeria de arte, ela lembra que a relação com os artistas surgiu antes.

TRAJETÓRIA

A história começou em 1992, fruto de uma parceria de Lucia com a mãe, a arquiteta Janete Costa. A dupla abriu uma loja em Olinda e vendia antiguidades, móveis, peças de design e arte popular. Com o tempo, obras de artistas plásticos entraram neste conjunto. Lucia começou a conviver cada vez mais com eles e pôde observar que não havia muito espaço na cidade para os artistas mostrarem suas criações ao público. Assim, o perfil da Amparo 60 foi se transformando e, desde então, várias exposições já aconteceram no local (em uma das propostas da galeria, artistas mais conhecidos mostraram suas obras junto a outros que estavam começando sua trajetória). 



Lucia lembra destas histórias olhando fotos, convites e catálogos. O material, organizado em pastas, agora é revisitado durante a preparação das comemorações. Este exercício de rever a própria trajetória inspira alguns projetos, como o de voltar a reforçar a ação educativa na Galeria Amparo 60: "Penso seriamente em voltar, ter uma pessoa só para isso. É muito gratificante você ver as escolas aqui", conta Lúcia, que também planeja o lançamento de um livro sobre a obra do artista Rodolfo Mesquita.

Outro plano é realizar uma exposição comemorativa com curadoria de Ana Maria Maia, em 2014.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Leia a matéria no Caderno C desta quinta-feira (8/8), no Jornal do Commercio.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM