Jornal do Commercio
PATRIMÔNIO

Recife terá mapeamento de obras de arte em espaços públicos

Projeto "Recife arte pública" está em andamento e prevê criação de um mapa, um site e um aplicativo para dispositivos móveis

Publicado em 29/03/2015, às 06h47

Um dos murais de Cicero Dias, na Secretaria da Fazenda de Pernambuco, que vão entrar no projeto / Foto: Alexandre Belém/JC Imagem 15/15/2009
Um dos murais de Cicero Dias, na Secretaria da Fazenda de Pernambuco, que vão entrar no projeto
Foto: Alexandre Belém/JC Imagem 15/15/2009
Eugênia Bezerra

O Recife é uma galeria de arte ao ar livre e aberta ao público, embora muitos moradores e visitantes da cidade não percebam algumas obras presentes na paisagem de maneira mais "discreta", em parques, interior de prédios públicos, fachadas de edifícios ou em ruas movimentadas. As mais visíveis, no entanto, tornaram-se ponto de referência para quem se locomove pela cidade ou marco na memória de alguns – como o painel de Francisco Brennand, no prédio da antiga A Primavera, na Rua do Sol, no Centro. Úm inventário sobre as esculturais, painéis e murais da capital pernambucana são o foco do projeto Recife arte pública, que resultará em um mapa e um site com imagens e informações sobre as obras e seus criadores, com lançamento previsto para o fim deste semestre.

O projeto foi idealizado pela arquiteta e arte-educadora Lúcia Padilha Cardoso. A ligação dela com a arquitetura e as artes visuais está expressa nas características do Recife arte pública. "O fato de não existir esse mapeamento da arte pública e também por este ser um recurso educativo altamente acessível para todo mundo", cita Lúcia, a motivou a fazer o projeto. "A cidade é como uma galeria a céu aberto. Você pode trabalhar a educação patrimonial, as artes visuais, a história de Pernambuco."

Os educadores Niedja Santos e Hassan Santos formam a equipe de pesquisa, com coordenação de produção de Janaísa Cardoso. "É um trabalho complexo, estamos mapeando as seis RPA's (regiões político-administrativas). Já conseguimos localizar a maioria das obras. Estamos na fase de pesquisar conteúdo, reunir informações sobre cada autor, o ano em que a obra foi feita, curiosidades sobre ela...", situa Lúcia.



"Há facilidade de acesso a um conteúdo rico. Olhando estas obras de arte você pode ver a história de Pernambuco. E elas são expressões de artistas como Francisco Brennand, Cícero Dias, Lula Cardoso Ayres, Corbiniano Lins", continua Lúcia.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Enquanto trabalha nesta etapa, realizada com apoio do Funcultura, a equipe planeja desdobramentos da iniciativa. "Queremos expandir a pesquisa para um aplicativo gratuito. Falamos bastante sobre arte-educação, mas para o turismo isso também é show. Outra expansão é usar o material em ações que a gente quer promover", adianta Lucia.

O texto completo está no Caderno C deste domingo (29/3), no Jornal do Commercio.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM