Jornal do Commercio
NOVA IORQUE

Mural Guerra e Paz, de Portinari, será reinaugurado hoje na ONU

A obra foi transportada para o Brasil para ser restaurada e passou pelo Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Paris

Publicado em 08/09/2015, às 11h00

Cena do vídeo feito para o Projeto Portinari durante o período em que as obras ficaram expostas no Rio de Janeiro / Projeto Portinari/Reprodução
Cena do vídeo feito para o Projeto Portinari durante o período em que as obras ficaram expostas no Rio de Janeiro
Projeto Portinari/Reprodução
Tonica Chagas, especial para Agência Estado

Monumental declaração de amor pela humanidade pintada por Cândido Portinari (1903-1962) e oferecida pelo Brasil como presente à Organização das Nações Unidas (ONU) em 1957, os dois painéis que compõem o mural Guerra e Paz serão reinaugurados nesta terça (8/90, à noite em cerimônia na sede da organização em Nova Iorque. "A mensagem retratada por Portinari nesta obra é cada vez mais urgente porque o mundo está num caminho suicida", diz João Cândido, único filho do artista e diretor do Projeto Portinari, criado em 1979.

Guerra e Paz retoma o mesmo posto de honra à entrada do grande anfiteatro da Assembleia Geral da ONU. Os painéis - medindo 14 metros de altura e 10 de comprimento cada um - saíram dali em 2010, quando o prédio da ONU começou a passar por uma longa reforma. 

A maior e última grande obra criada por Portinari antes de morrer foi levada ao Brasil para restauro e só então gente como a que ele sempre retratou em seus quadros pôde conhecê-la. Numa turnê pelo Rio, São Paulo, Belo Horizonte e estendida também a Paris, mais de 400 mil pessoas fizeram filas para vê-la de perto

Foi uma surpresa o bom estado dos painéis, levando-se em conta que eles ficaram meio século expostos diretamente ao sol numa área envidraçada. O que havia é o que os restauradores chamam de "chancis", uma aparência leitosa, semiopaca, provocada pela reação do ultravioleta sobre o branco, que é a cor mais usada na mistura das tintas. "As cores voltaram a vibrar e os vidros do salão agora têm película de cobertura para proteção da obra", diz João Cândido.

Responsável pelo que chama de "um videodiscurso" a ser apresentado na reinauguração do mural, a atriz e diretora Bia Lessa tomou o tema representado ali por Portinari para chamar atenção "à obrigação do homem criar um projeto de paz". Para compor a narrativa do vídeo e reforçar a mensagem expressa por Portinari, Bia escolheu poemas e outros textos de autores de diferentes épocas e países. Entre eles estão T. S. Eliot, Samuel Beckett, Walt Whitman, Hannah Arendt, Eduardo Galeano, Darcy Ribeiro e Paulo Mendes da Rocha.

João Cândido conta que, ao ver as imagens de desamparo dos refugiados que formam atualmente a maior onda migratória na Europa desde a 2ª Guerra Mundial, lembrou do que disse seu pai ao participar de uma conferência sobre o sentido social da arte, realizada em Buenos Aires, em 1947: "As coisas comovedoras ferem de morte o artista e sua única salvação é retransmitir a mensagem que recebe'. 

Para Portinari, não haveria na natureza "algo que grite mais alto ao coração do que as guerras, as tragédias provocadas pelas injustiças, pela desigualdade e pela fome" - motivos recorrentes na própria obra dele. Em 1952, o pintor foi incumbido de criar o mural que seria presenteado à ONU pelo governo brasileiro. E escolheu como tema o que lhe gritava ao coração.



Embora com o corpo já envenenado pelo chumbo das tintas que usava e, por ordem médica, estivesse proibido de pintar, durante quatro anos Portinari trabalhou na elaboração de 180 estudos, esboços e duas maquetes para os painéis (uma delas está no Itamaraty, em Brasília, e a outra pertence a um colecionador paulista). O mural foi produzido por partes num estúdio da hoje extinta TV Tupi, no Rio. A impossibilidade de avaliar a composição por completo desesperava Enrico Bianco, aluno e principal assistente de Portinari que, conforme ele contou num depoimento, apenas ouvia do pintor: "É só seguir a maquete".

PORÃO

Em 5 de janeiro de 1956, os painéis foram entregues a Macedo Soares, então ministro das Relações Exteriores, para serem doados à ONU. Um grupo de artistas e intelectuais pediu ao Itamaraty para que eles fossem expostos antes de serem despachados para Nova Iorque. Montado no palco do Teatro Municipal do Rio, o díptico que nem Portinari ainda tinha visto por inteiro foi conhecido por milhares de pessoas. 

Logo depois, os painéis foram enviados à ONU. Mas só foram inaugurados um ano e meio mais tarde. O jornal The New York Times de 23 de junho de 1957 noticiou o descontentamento brasileiro com o destino do presente que o País deu à ONU, com custo calculado em US$ 45 mil. Logo abaixo da notícia saiu nota da ONU informando que o atraso na exibição da obra de um dos mais respeitados modernistas brasileiros era uma questão de dinheiro.

"Os gigantescos murais precisam ser adequadamente montados e as estimativas indicam que o custo será de no mínimo US$ 20 mil", explicava a organização. Os painéis estavam encerrados em dois imensos caixotes no porão do prédio da ONU. Em 6 de setembro de 1957 o mural Guerra e Paz foi finalmente entregue numa cerimônia oficial.

Por causa do seu envolvimento com o Partido Comunista, Portinari não foi convidado para a inauguração, sendo representado pelo chefe da delegação brasileira nas Nações Unidas, o embaixador Cyro de Freitas-Valle.

Como os painéis ficam numa área de acesso restrito no prédio da ONU, o Projeto Portinari planejou eventos que ocorreriam em áreas abertas da cidade, como a estação de trens Grand Central, a Times Square e a parte externa do Metropolitan Museum para que a reinstalação deles pudesse provocar a mesma reação de quando foram exibidos abertamente ao público no Brasil e na França. O custo seria em torno de R$ 6,5 milhões, valor igual ao que foi investido para a apresentação deles em São Paulo, segundo o diretor do Projeto Portinari. 

Os painéis foram reinstalados na ONU em dezembro passado e a reinauguração foi adiada duas vezes à espera de patrocinadores para os eventos em torno dela. Mas nada pôde ser feito porque o governo federal e as empresas brasileiras que foram fontes de recursos para tirar as obras dos EUA quatro anos atrás "não tinham como colaborar por estarem às voltas com a crise econômica e política", segundo João Cândido.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM