Jornal do Commercio
Consumo

Não gosta de comprar frutas e verduras? O FazFeira adora

Serviço criado por dentista que é também empresária resolve a questão, aceitando pedidos por site ou aplicativos

Publicado em 10/01/2019, às 15h26

Maria Augusta Maranhão farejou oportunidade e aproveitou o nicho / Filipe Jordão/JC Imagem
Maria Augusta Maranhão farejou oportunidade e aproveitou o nicho
Filipe Jordão/JC Imagem
Flávia de Gusmão

Maria Augusta Maranhão, dentista praticante e inquieta por natureza, é outro exemplo de empreendedorismo que se valeu do corre-corre em que vivemos para dar início ao FazFeira. A marca nasceu há pouco mais de um ano e, embora não seja a primeira a fazer compras de hortifrútis para entregar em casa, utilizou uma característica pessoal de sua idealizadora para fazer a diferença: ser muito exigente com o que compra.

Mas a necessidade de Augusta surgiu mesmo foi da observação prática. Ao se ver mãe de duas filhas sentiu na pele a dificuldade de atender a várias demandas ao mesmo tempo. “Queria me alimentar bem para amamentar o bebê e queria que as papinhas que eu dava para a filha mais velha fossem provenientes dos melhores ingredientes, mas cadê tempo?”.
Passou a utilizar um serviço de entrega de feira e resolveu aperfeiçoá-lo. Até chamou seu fornecedor inaugural para a sociedade, mas ele declinou: preferia voar solo. “A ideia era oferecer qualidade impecável e o Instagram seria o canal de contato com este suposto público, que desejava o mesmo que eu”. Hoje com 10.800 seguidores, a FazFeira encontrou o seu nicho.

CLIENTE EXIGENTE

Para além da qualidade, o desejo de atender a desejos específicos de cada cliente fez com que outro benefício viesse atrelado: a variedade de produtos ofertados só faz crescer em tão curto espaço de tempo. Tanto que a FazFeira, que antes mantinha um espaço físico apenas como depósito, mudou de endereço e abriu uma loja de verdade, que funciona diariamente. “Atende as necessidades daquele consumidor que gosta de escolher ele mesmo, pegar, olhar cheirar. Com a vantagem de encontrar produtos já pré-selecionados”, avisa.



No início do negócio, era Maria Augusta quem ia pessoalmente ao Ceasa fazer as compras. Trabalho aliviado com a contratação de Cleidson Marques, agora ela se dedica mais ao corpo a corpo com sua clientela e a administrar as entregas. Os pedidos podem ser feitos pelo Rappi, pelo aplicativo próprio do FazFeira ou pelo site, em qualquer horário.

Faz Feira – Rua Setúbal, 182, Boa Viagem. De segunda a sexta, das 7h às 20h; sábado e domingo das 9h às 16h, Whatsapp: 99925-1200


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM