Jornal do Commercio
Análise
Estreia

Crítica: 'Obsessão' tensiona políticas de espaço

Thriller de suspense estrelado por Isabelle Huppert e Chloë Grace Moretz chega aos cinemas do Recife nesta quinta (13)

Publicado em 12/06/2019, às 12h53

'Obsessão' é dirigido por Neil Jordan, responsável por longas como 'Entrevista com o Vampiro' e 'A Companhia dos Lobos' / Reprodução
'Obsessão' é dirigido por Neil Jordan, responsável por longas como 'Entrevista com o Vampiro' e 'A Companhia dos Lobos'
Reprodução
João Rêgo

Amanda foi uma grata surpresa no circuito cinematográfico no início desse ano. Um melodrama inspirador, e um tanto juvenil, que posicionava seus personagens num espaço público parisiense sempre tensionado – o que circunscreve a temática do terrorismo, mas com uma leitura autoral e bastante distinta do costumeiro exploitation. Obsessão, do irlandês Neil Jordan – thriller de suspense que entra em cartaz amanhã nos cinemas do Recife – não é, propriamente, sobre terrorismo. A trama é o que o título anuncia. Sua execução, no entanto, diz muito sobre os contrastes nessas políticas de espaço.

No primeiro diálogo do filme, a protagonista Frances, vivida por Chloë Grace Moretz, é alertada pela sua companheira de apartamento, após trazer para casa uma bolsa abandonada no metrô: “Estamos em Manhattan, não se pega bolsas assim. Podem ter uma bomba dentro”. Há, de cara, uma inquietação prévia a toda trama que segue o filme. O espaço público não é mais seguro, as ruas, as praças e o metrô de Nova York estam sob um espectro de tensão.

A cena é a única que o filme alerta sobre isso, além de tocar no tema “terrorismo”. O que não impede disso tudo aparecer diluído na concepção imagética nos planos conseguintes. Obsessão, na sua maioria, é composto por internas. Seus personagens interagem em ambientes privados (apartamentos, restaurantes), e o terror, o mote principal, também se passam neles.

Um plano, inclusive, se assemelha bastante a um dos mais inspirados de A Vida Como Ela É (1978), do falecido recentemente Jean-Claude Brisseau, em que um garoto rodeia com sua bicicleta um cadáver estendido na rua. Frances realiza o mesmo movimento ao redor de sua amiga enquanto ela faz yoga. O estranhamento da ação não se interpela pela crueza da violência como em Brisseau, mas por uma espécie de confinamento espacial: o ato acontece dentro do apartamento das duas.



INVASÃO

Mas, afinal, onde está o terror de Obsessão? Voltemos ao início quando a bolsa, deixada no metrô, adentra ao ambiente e vida privada da protagonista. Não só o objeto, mas sua verdadeira dona também. Ao devolver o item, Frances termina se tornando mais uma vítima do esquema da psicopata Greta – vivida por Isabelle Huppert (e é importante ressaltar isso porque a personagem parece uma encarnação da persona da atriz), que passa a perseguir a moça rotineiramente.

Surge daí uma tensão. Greta invade (fisicamente, em um mundo dominado pelo digital) todas as barreiras que o resquício da segurança do “privado” traz consigo. Persegue Frances no seu trabalho, no seu prédio além de aterrorizar sua amiga.

Importante destacar também que são nessas zonas que a vilã existe e reside – quase como um Leatherface moderno, personagem de O Massacre da Serra Elétrica, no modo como sua casa (que serve de cativeiro) e suas ações se inserem e se escondem nos confins da vida privada – principalmente na metrópole. É até interessante pontuar isso dentro do cinema do diretor Neil Jordan, que costuma trabalhar com o fantástico nas suas mais famosas obras (Entrevista com o VampiroA Companhia dos Lobos e Byzantium).





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM