Jornal do Commercio
Notícia
CINEMA

A capital do jeans pelos olhos do cineasta Marcelo Gomes

O diretor pernambucano participa de debate após pré-estreia de Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, documentário sobre a atividade econômica de Toritama, no Agreste do Estado

Publicado em 10/07/2019, às 10h48

Cena de Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar / Vitrine Filmes/Divulgação
Cena de Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar
Vitrine Filmes/Divulgação
Ernesto Barros Barros

Poucos cineastas brasileiros são tão andarilhos quanto o pernambucano Marcelo Gomes. São incontáveis os quilômetros que ele já andou pelas estradas nordestinas – cortando o Sertão e o Agreste, até cada destino improvável. Marcelo nunca procurou uma paisagem, pois seu cinema não tem nada de turístico, mas inventou e – principalmente – encontrou gente que não cansa de perseguir seus sonhos e conhecer o outro, como o alemão Johann e o sertanejo Ranulpho, de Cinema, Aspirinas e Urubu (2005) e a inesquecível Patrícia, a vendedora de feira livre que queria “uma vida-lazer” em Viajo porque Preciso, Volto porque Te Amo (2009), que Marcelo dirigiu em parceria com o amigo cearense Karim Aïnouz.

Em Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar (2019), seu primeiro o documentário, em pré-estreia nesta quarta-feira (10/7), às 20h, no Cinema da Fundação/Derby, que contará com sua presença para um debate após a sessão, Marcelo empreende uma nova viagem, desta vez partindo de lembranças paternas. Tanto Cinema, Aspirinas e Urubus quanto seu novo filme têm ligações paterno-filiais. O primeiro foi inspirado nas memórias do avô, agora, ele remonta às viagens que fez com o pai, um inspetor de impostos, que o levava durante o trabalho às cidades do Agreste pernambucano.

Ouvimos a voz de Marcelo enumerando as cidades que viu ainda jovem, entre elas Toritama, em que dela lembra-se do silêncio de suas ruas. Ele fez essa viagem talvez motivado pelos contrastes com a realidade de hoje, mas seu intuito, certamente, foi o de conhecer as pessoas dessa pequena cidade, que mergulharam num faina incessante para ganhar dinheiro, custe o que custar. É perturbador o barulho das máquinas de costuras das dezenas de fábricas de jeans (“facções, como chamam) de fundo de quintal que ele visitou. Nessa hora, o artista tenta criar uma realidade menos agressiva: tira o som bruto das máquinas de costura e a substitui por uma peça de música clássica, a mesma que ouvimos na primeira sequência, uma assustadora montagem com outdoors de beira de estrada que parecem maiores do que são.



Marcelo, quase sempre escondido por trás da câmara, com sua voz ao fundo, faz um tour pelas pequenas fábricas para descobrir, não sem horror, como aqueles trabalhadores, que resolveram ser o próprio patrão, entraram numa linha de montagem que os obrigam a trabalhar o dia inteiro, sem nenhuma qualificação além do fazer mecânico da costura.

CARNAVAL

Para quem só ouviu falar do progresso de Toritama, a Capital do Jeans, e de sua produção milionária de peças de roupas, nem imagina que esse milagre tem um custo severo sobre a vida do seus trabalhadores. Como dizem, para contrabalançar a realidade, pelo menos têm o Carnaval e suas férias gerais a cada ano. Foi esse vislumbre de festa, tão ausente no dia a dia deles, que levou Marcelo a escolher o título do filme, retirado da canção Quando o Carnaval Chegar, de Chico Buarque. Inclusive, essa canção também batizou o filme que Cacá Diegues fez em 1972, com Chico Buarque, Maria Betânia e Nara Leão como atores.

O excesso de trabalho e a ausência de lazer na vida dos operários do jeans – homens, mulheres, jovens e idosos – de Toritama parecem um laboratório dos excessos do capitalismo e da precarização do trabalho. Com seu já conhecido interesse em conhecer a vida íntima dos seus personagens – agora pessoas reais –, Marcelo Gomes mais uma vez faz do cinema uma janela para o mundo. Em Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, ele não só deixa as pessoas se abrirem como também mostra em que tipo de ratoeira elas se meteram. Afinal, trabalho não é sinônimo de escravidão, mesmo que pague para isso.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM