Jornal do Commercio
REFLEXÃO

Terradois apresenta temas da pós-modernidade na TV Cultura

Maria Fernanda Cândido e o psicanalista Jorge Forbes conduzem o programa

Publicado em 21/03/2017, às 18h39

Maria Fernanda Cândido e Jorge Forbes discutem sobre os temas de cada episódio, também apresentados por atores em cenas criadas especialmente / Jair Magri/TV Cultura/Divulgação
Maria Fernanda Cândido e Jorge Forbes discutem sobre os temas de cada episódio, também apresentados por atores em cenas criadas especialmente
Jair Magri/TV Cultura/Divulgação
JC Online

A série TERRADOIS, com a atriz Maria Fernanda Cândido e o psicanalista Jorge Forbes, estreia nesta terça-feira (21/3), às 22h30, na TV Cultura. A produção apresenta discussões sobre temas relacionados à pós-modernidade com um formato no qual uma encenação, um momento no qual os atores falam sobre processo de criação da cena e uma terceira parte, na qual Maria Fernanda e Jorge discutem o tema de cada episódio, se completam.

A parte dramatúrgica de cada programa é baseada em textos do próprio Jorge. O primeiro, Sinfonia Sem Fim, fala sobre a morte e anseios em relação à posteridade. No roteiro escrito por Camila Raffanti, um compositor consagrado tem milhões de seguidores nas redes sociais, mas vive recluso. Ao descobrir que está condenado à morte, o personagem planeja etenizar-se na figura de um jovem músico. O elenco é formado por Daniel Farias e Marat Descartes, com participações especiais de Luiz Araújo e Maria Fernanda Cândido.



ORIGENS

"A principal razão de ter proposto fazer TERRADOIS foi a constatação do nosso despreparo para conviver e usufruir esse novo tempo da pós-modernidade. Temos novos sintomas e os tratamos com velhos remédios que, claro, não funcionam. Temos também novas alegrias e oportunidades, só que não as percebemos", explica Jorge Forbes sobre o que o motivou a desenvolver o projeto da série.

"Dei o nome Terradois ao que academicamente chamamos pós-modernidade. Penso ser um termo mais intuitivo, mais sensível. Afinal, vivemos em uma terra completamente diferente da anterior, do nascimento à morte, e nos sentimos desbussolados", esclarece ele.

 

 



Comentários

Por camila,22/03/2017

Alô, alô Terra! Sou espectadora assídua e fiel tanto da Rádio quanto da TV Cultura, há anos. Aguardei com modesto entusiasmo e discreta curiosidade o lançamento do Terra Dois, pois confesso que tive dificuldade em entender a que vinha, exatamente, o programa. Até aqui, tudo bem, pois essa “indefinição” poderia, inclusive, fazer parte da estratégia de divulgação, pensei eu. Pois bem, estamos no dia 22, e ontem foi ao ar o primero Terra Dois da série... será que será uma Série? Já começa uma pequena confusão, pois em nenhum momento foi mencionado qual o formato da atração. Ou eu não percebi...? Visulamente, achei impactante, bonito, atraente. A solução para o cenário é boa, sofisticada, dinâmica. E a abertura conseguiu dar uma boa ideia do que viria depois. Mas, para mim, os problemas começaram nos diálogos ensaiados entre a bonita Fernanda e o inteligente Jorge... Foi bem isso: a mulher bonita ouvindo atentamente o discurso do homem inteligente na tentativa de tornar didática suas opiniões sobre as mudanças no modus vivendi de nossa sociedade nessa era já aquariana. A sensação era a de que ela “questionava” para que ele pudesse nos ensinar a pensar. Aí começou a ficar chato. A dramatização da ”problemática” foi interessante. Também na minha amadora opinião, o artista foi muito melhor interpretado do que seu convidado, mas isso é detalhe. Para nós, reles mortais, ficou claro o que queriam dizer, sem nenhuma explicação. Na volta ao diálogo, problemas mais complexos: novamente a tentativa de didatizar as questões que são bastante subjetivas e complexas. Para mim, o artista queria muito mais ser lembrado eternamente, coisa que aliás caminha com a humanidade, do que continuar vivo e interagindo. Essa foi minha primeira discordância da lição que passaram. Segundo, se o rapaz queria preservar a memória do pai, nunca deveria ter aceito a proposta. O fato de aceitá-la compromete diretamente a tese de que queria preservar sua memória, mesmo que depois tenha “traído” a promessa original. Apesar de ter uma concepção inovadora, e isso é bem bacana, a solução me pareceu um tanto pretenciosa, didática demais, um tanto desajeitada. Que pena... vou torcer para que consiga me envolver no segundo episódio (?) que, aliás, nem sei quando será.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM