Jornal do Commercio
Denúncia

Empresas de TV são acusadas de usar indevidamente verba da Ancine

Uma denúncia acusa uma empresa de TV a cabo e duas produtoras de usarem indevidamente dinheiro público na produção de seriados.

Publicado em 28/12/2017, às 11h03

A empresa Turner, em associação com a Gullane Entretenimento e com a O2 Produções, são os supostos envolvidos / Foto: Reprodução/Pixabay
A empresa Turner, em associação com a Gullane Entretenimento e com a O2 Produções, são os supostos envolvidos
Foto: Reprodução/Pixabay
Estadão Conteúdo

Uma denúncia acusa uma empresa de TV a cabo e duas produtoras de usarem indevidamente dinheiro público na produção de seriados. Já protocolado no Ministério Público Federal, que ainda analisa o caso e portanto não notificou os supostos envolvidos, o documento explica que a empresa Turner, em associação com a Gullane Entretenimento e com a O2 Produções, em casos diferentes, se beneficiou do uso irregular de verba da Ancine. O denunciante permanece no anonimato.

Ao decidir investir dinheiro em uma produção no Brasil, uma empresa estrangeira deixa de pagar 11% dos impostos que pagaria se enviasse a verba para seu país de origem e arca apenas com 3% do valor da produção em uma conta de recolhimento bloqueada que poderá ser usada pela Ancine. Se essa quantia não for solicitada em até 270 dias pela empresa de TV para a realização de um novo projeto, esse valor vai para o FSA, o Fundo Setorial do Audiovisual da Ancine, que conta com R$ 1 bilhão ao ano para investir em documentários, filmes e séries independentes selecionados em mais de 20 editais pelo Brasil.

A denúncia ataca dois momentos de movimentação da Turner. O primeiro é na origem, quando a empresa declara que vai participar como coprodutora de dois projetos dos quais a Ancine não tem conhecimento. Com a Gullane, ela faria o projeto original Irmãos e Detetives. Com a O2, seria o Turma da Mônica Jovem. O problema, sempre segundo a denúncia, é que nenhum dos dois estava protocolado na Agência Nacional do Cinema.

Troca de projetos

Como os projetos não foram à frente por razões diferentes, a Turner decidiu, segundo os denunciantes, apostar na produção de outras duas séries com as mesmas respectivas produtoras. Com a Gullane Entretenimento, passou a fazer Irmãos Freitas, sobre a vida do lutador de boxe aposentado Acelino Popó de Freitas e de seu irmão. Já com a O2, os esforços seriam agora para realizar Rua Augusta, série ficcional que traz como cenário principal uma das ruas mais emblemáticas da cidade de São Paulo. Nos dois casos, a suposta irregularidade é a seguinte: ao decidir pela troca de projetos, a Turner teria usado a verba do FSA depois dos 270 dias do prazo legal estipulado para a realocação. A Ancine fez um parecer técnico sobre o episódio de Irmãos e Detetives reforçando o impedimento no uso da verba, mas a denúncia afirma que o mesmo projeto contou com outro parecer favorável posterior, assinado pelo procurador-geral federal à época, Alex Braga, que hoje é diretor da Ancine. A diretora da Gullane na época era Debora Ivanov, hoje diretora interina da Ancine.

O MinC, ao qual a Ancine é subordinada, responde ao Estado dizendo que a pasta foi notificada e "encaminhou a denúncia à própria Ancine, uma das instâncias responsáveis por apurar o caso e penalizar os envolvidos. O departamento jurídico do MinC está finalizando a análise do processo para encaminhar às demais instâncias responsáveis por apurar o caso e penalizar os envolvidos, a saber: a Casa Civil, a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU)." E encerra dizendo que "a pasta está à disposição dos órgãos de controle para oferecer as informações necessárias à investigação."

Respostas

A Ancine responde em um longo comunicado. Diz que não recebeu ainda qualquer notificação formal por parte do MPF e que o caso se trata de "uma denúncia anônima encaminhada à Ancine, a outros órgãos públicos e à imprensa, e não uma peça produzida no âmbito do MPF." Ela rebate as acusações, diz que os projetos citados (Rua Augusta e Irmãos Freitas) seguem em fase de produção e termina afirmando que a agência "zela pela lisura, transparência e devida instrução dos processos administrativos e pela correta e regular aplicação de recursos públicos na atividade audiovisual brasileira."



A Gullane vai no mesmo caminho. Diz que a série Os Irmãos Freitas, em coprodução com a Turner Brasil, tem todo o processo "acompanhado e aprovado pela Ancine e em nenhum momento fomos notificados ou questionados por qualquer órgão do governo."

A Turner também fala ao jornal "O Estado de S.Paulo", por meio de comunicado: "No tocante à suposta denúncia em questão, a Turner, que atua há 30 anos no País, reafirma que tem se mantido fiel a seus valores, com conduta inquestionável, norteada por tudo aquilo que preconiza a lei, de modo que nenhuma ilegalidade foi cometida, sobretudo no que tange a alocações de recursos, cumprimento de prazos ou a qualquer outro requisito legal vigente relativo às produções originais." Ela nega que os filmes originais seriam "fantasmas": "Todos os projetos apresentados à Ancine tiveram a devida aprovação do órgão regulador e seguem em plena produção." Eles também negam ter recebido qualquer notificação do Ministério Público.

Outros argumentos são dados por uma fonte ligada à empresa Turner, que não quis se identificar. O projeto Irmãos e Detetives tinha como detentor do formato a Telefe, grupo de TV na Argentina. Mas, durante a tramitação, a Ancine baixou uma Instrução Normativa restringindo o financiamento para formatos estrangeiros. Com isso, a Turner não podia seguir em frente. Sobre Irmãos Freitas, ela afirma que o projeto já existia na Ancine mas que, por ser originalmente filme, a Turner não manifestou interesse em fazê-lo. "A empresa só se interessaram depois em coproduzir Irmãos Freitas com a Gullane em formato de série, e o projeto seguiu a tramitação normal.

A O2 diz que a série Rua Augusta "não é um 'filme fantasma' como foi citado pela denúncia anônima." Ela responde mais diretamente sobre os prazos de uso da verba que iria para o FSA. "A O2 não tem controle sobre as datas dos recursos alocados. Esses recursos alocados transferidos oficialmente pela Ancine para produção deste projeto foram utilizados pela O2 dentro da legalidade e resultaram numa série de 12 episódios que serão exibidos a partir de março."

Suposta motivação política

Os bastidores do outro lado da história também trabalham no anonimato. Segundo fontes que também não se identificaram, a denúncia anônima tem motivação política e seu alvo seria a diretora interina da Ancine, Debora Ivanov, que estaria desgastada junto ao MinC depois de desentendimentos com a pasta relacionados a políticas afirmativas para diminuir a desigualdade de gênero e racial no setor audiovisual. Procurada, Debora não falou com a reportagem, além da nota divulgada pela Ancine.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM