Jornal do Commercio
Entrevista

Marcos Mion: 'Falava que quem ia pra TV vendia a alma'

Apresentador conversou sobre a carreira com Danilo Gentili, no 'The Noite'

Publicado em 13/09/2018, às 17h22

Marcos Mion falou sobre a carreira em entrevista ao The Noite. / Foto: Gabriel Cardoso/SBT
Marcos Mion falou sobre a carreira em entrevista ao The Noite.
Foto: Gabriel Cardoso/SBT
Estadão Conteúdo

O apresentador Marcos Mion relembrou o início de sua carreira na televisão em entrevista ao The Noite da última quarta-feira (12) - e contou que se manter nesta área era exatamente o oposto do que queria.

"Passei minha adolescência inteira em teatro, nunca quis trabalhar na televisão. Falava que quem ia pra TV vendia a alma e não fazia arte de verdade. Eu tinha esse discurso", contou.



Em seguida, relembrou seu trabalho em uma série que fez bastante sucesso com o público no início dos anos 2000: "Meu primeiro ano na TV, trabalhando em Sandy e Júnior, lá na Globo. Acabava a cena que eu fazia o Max, com umas falas tipo: 'Sandy, acredita em você, vai dar tudo certo!', eu não ficava com a galera. Pegava meu livro de [Bertolt] Brecht, ia sentar embaixo de uma árvore e ficava lendo".

VEJA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM