Jornal do Commercio
Preconceito

Delegacia do Rio abre inquérito de casos de racismo no 'BBB'

Comentários feitos pelos participantes no programa motivaram investigação

Publicado em 12/02/2019, às 18h03

Paula e Maycon soltaram comentários preconceituosos na casa. / Fotos: Twitter/@RealitySocial/Reprodução
Paula e Maycon soltaram comentários preconceituosos na casa.
Fotos: Twitter/@RealitySocial/Reprodução
Estadão Conteúdo

A 19º edição do BBB está polêmica e, em menos de um mês, membros do programa foram acusados de intolerância religiosa, homofobia, maus-tratos aos animais e crimes sexuais. A sucessão de denúncias levou a Delegacia de Crimes Raciais e Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro a analisar supostos casos de racismo em sigilo.

Apesar dos nomes investigados não terem sido revelados, alguns brothers deram declarações polêmicas que levantam suspeitas. Há uma semana, a participante Paula disse ter medo de religiões de matriz africana. "Tenho medo do Rodrigo, porque ele fala o tempo todo desse negócio de Oxum [divindade da Umbanda e do Candomblé]. Eu tenho medo disso, mas nosso Deus é maior", afirmou.

Em um outro momento, Maycon disse ter sentido arrepios ao ver Rodrigo e Gabriela - que são negros - dançando músicas da cultura afro-brasileira numa festa. "Senti um arrepio quando começou a tocar umas músicas esquisitas [de Jorge Aragão]. Comecei a olhar e ouvir umas coisas. Jesus Cristo estava em minha mente, dizendo que se eu fizer igual aos dois, eles vão ganhar mais força", contou.



Outros casos

Maycon também gerou polêmica na casa ao comentar que já amarrou bombinha em rabo de gato. Além disso, seu colega Diego, numa discussão com Hariany e Paula sobre a orientação sexual de Rodrigo, afirmou não gostar de "gays escandalosos".

Os registros de preconceito não pararam por aí. O professor Vanderson, de 35 anos, foi desclassificado do programa depois de ter sido intimado a prestar depoimento na Delegacia de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. A intimidação se deu após ex-namoradas o denunciarem por violência doméstica, importunação sexual e estupro.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM