Jornal do Commercio
Notícia
saúde mental

Netflix elimina cena de suicídio de '13 Reasons Why'

Dois anos depois do lançamento, a empresa seguiu finalmente o conselho de especialistas em saúde mental

Publicado em 17/07/2019, às 10h48

A série conta a história do suicídio de Hannah Baker / Foto: Divulgação
A série conta a história do suicídio de Hannah Baker
Foto: Divulgação
AFP

A Netflix eliminou uma cena explícita de suicídio da primeira temporada da série de sucesso "13 Reasons Why", seguindo o conselho de especialistas em saúde mental que consideram que estimulava a prática.

A decisão chega dois anos depois da estreia da série, que conta a história de Hannah Baker, uma estudante de ensino médio que decide se suicidar depois de sofrer assédio na escola. 

Enquanto a série foi elogiada por abordar assuntos importantes como o assédio nas escolas e a automutilação, também foi criticada por algumas escolas médicas e psicólogos, que acreditam que pode levar jovens com problemas de saúde mental a se suicidarem.   

"Ao mesmo tempo em que nos preparávamos para estrear a terceira temporada neste verão, estivemos atentos ao debate em torno da série", anunciou a Netflix no Twitter na segunda-feira à noite.

Seguindo o conselho de especialistas médicos, como o da doutora Christine Moutier, chefe da Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio, a Netflix decidiu junto com o criador, Brian Yorkey, e os produtores editar a cena da primeira temporada em que Hannah tira a própria vida.   

Brian Yorkey disse que a cena explícita de suicídio pretendia mostrar "o horror desse ato para garantir que ninguém desejasse imitá-lo". 



"Nenhuma cena é mais importante que a vida da série e sua mensagem de que devemos cuidar melhor uns dos outros", disse Yorkey no Twitter. 

"Acreditamos que esta edição ajudará a série a ser benéfica ao máximo para a maioria das pessoas, além de mitigar qualquer risco para os espectadores jovens especialmente vulneráveis".

"Ouvimos de muitos jovens que '13 Reasons Why' os animou a iniciar conversas sobre assuntos difíceis como a depressão e o suicídio e a pedir ajuda, em muitos casos pela primeira vez", afirmou a Netflix. 

ESTUDOS

Dois estudos publicados em maio determinaram que a taxa de suicídio entre os jovens americanos havia aumentado significativamente nos meses seguintes à estreia da série.

Um estudo do ano passado que a Netflix encarregou à universidade Northwestern concluiu que a maioria de jovens acreditava que a série os havia ajudado a entender melhor a depressão e a ter mais empatia com as vítimas de assédio. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();