Jornal do Commercio
Bienal

Bienal do Livro de Pernambuco é motivo de disputa entre livreiros e produtor

Andelivros e Cia. de Eventos preparam, separadamente, a sua edição da feira. Mas só uma deve vingar.

Publicado em 27/02/2013, às 06h08

Marcelo Pereira e Mateus Araújo

Uma trama que promete emoções, disputa judiciais e envolve muito dinheiro. Não se trata de uma ficção ou um romance reportagem. Este é o enredo da 9ª Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, marcada para acontecer de 4 a 13 de outubro no pavilhão do Centro de Convenções, que deve movimentar mais de R$ 30 milhões – R$ 12 milhões em bônus do governo estadual e das prefeituras para professores fazerem aquisições e R$ 3,5 milhões em patrocínio e comercialização da feira. O embate começou a se desenhar há dois anos, na edição anterior do evento, quando a Associação do Nordeste dos Editores e Distribuidores de Livros (Andelivros) entrou com uma ação contra a produtora Cia. de Eventos, tendo como mote a cobrança de ingressos (R$ 4, inteira, e R$ 2, estudantes da rede privada e idosos), que é cobrado, por exemplo, nas Bienais do Rio de São Paulo.

A entidade dos livreiros, que são favoráveis à entrada gratuita, apresenta hoje à noite, num restaurante no Recife, o projeto para a edição deste ano, que pretende discutir com o público. Ao saber do anúncio, o produtor Rogério Robalinho, que assumiu a coordenação das últimas quatro bienais, marcou um encontro com a imprensa para as 10h30, num outro restaurante, para dizer que continua trabalhando na realização do evento. A Andelivros, que tem 30 associados e representa mais de 100 editoras do País, já tem o tema da sua bienal: De Gutemberg à era digital, que guia a feira pela recorrente discussão sobre a união da literatura com a tecnologia. A Cia. de Eventos, por sua vez, havia definido o tema desde o fim do ano passado: Literatura, futebol & identidades nacionais, numa articulação com a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo – Secopa. Uma coisa é certa: só haverá uma Bienal do Livro este ano em Pernambuco.

A gota d’água para Andelivros – a cobrança de ingressos ao público – chegou à estância judicial na última edição. Um pedido de tutela feito pela entidade foi deferido por um juiz da 26ª Vara Cível do Recife, suspendendo a cobrança para entrada na feira, às vésperas do evento. Rogério Robalinho recorreu, derrubou a liminar e o ingresso foi cobrado. “Vivemos num Estado pobre. Temos que fazer o possível para facilitar a vida das pessoas para irem à Bienal do Livro”, diz o presidente da Andelivros, José Alventino. “O dinheiro da bilheteria era para ajudar a custear a bienal. A venda dos estandes não cobre todos os custos do evento, incluindo a programação cultural. Mesmo assim, nem todos pagam o ingresso. O acesso era gratuito para professores e alunos da rede pública e escolas com visitação agendada”, rebate Robalinho.



Nas cinco edições realizadas pela Cia de Eventos, os acordos com a Andelivros foram fechados de última hora, segundo o produtor. “Desde o início, a Cia. de Eventos assumiu todo o risco e a construção do empreendimento. Depois que a feira se tornou sucesso, levando 610 mil pessoas na última edição, a Andelivros quis cobrar participação pelos resultados na captação de patrocínio, na comercialização e na bilheteria, numa forma de capitalismo sem risco. Eles queriam colocar no material de divulgação que era uma realização da Andelivros, mas não participavam da articulação e da organização”, acusa o produtor. “Por outro lado, todo o dinheiro dos bônus e das vendas é todo para eles. Não temos direito nem reivindicamos”, acusa, revelando talvez os reais motivos do rompimento.

José Alventino prefere não polemizar. Em 2001, a Andelivros, por uma questão formal, contratou os serviços da Cia. de Eventos para fazer a produção executiva da bienal. O contrato valia apenas para aquela edição e não foi renovado. “Estamos contratando uma nova firma conceituada. A associação sabe fazer eventos, já fez em Garanhuns e participou da Fliporto”, diz o presidente da Andelivros. O livreiro adianta alguns detalhes da “nova” Bienal do Livro de Pernambuco, com relação à estrutura e aos convidados da feira de 2013. “Vamos conseguir o apoio da maioria dos municípios do Estado e pretendemos também criar um linha especial de ônibus, como há na Bienal de São Paulo e do Rio”, enumera. “Sobre convidados, é provável que venham participar da feira o padre Marcelo Rossi e a jornalista Sônia Bridi.” 

A Bienal da Cia. de Eventos, por sua vez, está avançada nas suas articulações com o governo do Estado. “Por uma questão de lealdade, levei o conflito ao governador Eduardo Campos. Estamos negociando a inclusão do Todos com a Nota e do Governo Presente no evento, fechando contratos com os patrocinadores via Lei Rouanet e temos 50% da comercialização realizada. Trabalhamos para ter uma maior variedade possível de editoras e não apenas os distribuidores de livros”, diz Robalinho. A curadoria literária está sendo feita pelo escritor e professor Wellington Melo, com consultoria de Homero Fonseca. 

Leia matéria completa no Caderno C desta quarta-feira (27)




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM