Jornal do Commercio
COMPORTAMENTO

Audiolivros são opção para quem quer ler no trânsito

Os livros narrados podem ser úteis em meio à correria da rotina - a oferta ainda é pequena, mas tem crescido

Publicado em 07/04/2013, às 05h40

Do JC Online

Em meio ao turbilhão da rotina, quando se perde cada vez mais tempo se locomovendo pela cidade, abrir espaço para uma atividade que exige concentração total como a leitura parece cada vez mais difícil. O renascimento de um produto antigo do mercado literário vem tentando fazer com que as pessoas possam “ler”, mesmo quando estão em pleno trânsito, caminhando pelas ruas ou pedalando. São os audiolivros, versões narradas ou encenadas de obras literárias, que, apesar da representação tímida no mercado nacional, começam a ser uma opção real.

Rejane Sultanum foi uma das pessoas que optou por isso. Apaixonada pelos livros, ela decidiu que ouvir histórias poderia ser uma forma de relaxar nas horas de trajeto diário. “É perfeito para o trânsito. Você não se aborrece”, ela explica, dizendo que gosta também de fazer longas caminhadas ouvindo narrativas. “Como eu gosto muito de ler livros físicos em casa, eu deixo eles sempre para o carro. Tem momentos em que a história está tão interessante que eu passo um tempo na garagem do prédio, estacionada, continuando a ouvir”, confessa.

Sandra Silvério, dona da editora Livro Falante, diz que o trânsito é o grande “amigo” de quem cria audiolivros. “O audiolivro nasceu em Los Angeles, onde as pessoas mais passam tempo dentro do carro”, ela explica. Além da caminhada, existem outras atividades propícias para se fazer enquanto se ouve um livro. “As vantagens são várias. A principal é poder ‘ler’ enquanto se praticam outras atividades como, por exemplo, limpar a casa, correr na esteira”, aponta Marco Giroto, diretor da editora Audiolivros.

Várias empresas têm se especializado na área. Além das já citadas Livro Falante e Audiolivros, já estão no mercado editoras como a Universidade Falada, Livro Sonoro e Plugme. Casas de livros físicos como a Rocco e a Nossa Cultura também já têm selos para livros em áudio. Além de traduções de obras internacionais, como Caçador de pipas e Querido John, best-sellers na versão impressa, o mercado abre os olhos para livros de autores brasileiros como 1822, de Laurentino Gomes, e Vale tudo: o som e a fúria de Tim Maia, feito e narrado pelo jornalista Nelson Motta. Em breve, Pernambuco deve ter uma superprodução em áudio: o livro Fernando Pessoa, uma quase autobiografia, de José Paulo Cavalcanti Filho, vai ganhar versão com Silio Boccanera, Ferreira Gullar e o global Ricardo Pereira.

“Campeões de venda são audiolivros voltados para concursos públicos e OAB. Depois disso vêm os de autoajuda, finanças, e espírita”, explica Marco Giroto, da Audiolivros. “Poesia e poemas estão no final da lista, não vendem muito bem nesse formato".

Na Livro Falante, fazem sucessos as obras sobre música. “Elas podem trazer exemplos. Tem o História da música clássica, em que o jornalista explica um determinado período musical e depois põe para tocar na gravação. O melhor meio para ensinar música é o próprio áudio”, defende.

Veja alguns dos sites de editoras de audiolivros:

Audiolivro - www.audiolivroplus.com.br - A editora publica, entre outros, os livros 1808, de Laurentino Gomes, Navio negreiro, de Castro Alves, Feliz ano velho, de Marcelo Rubens Paiva, e O caçador de pipas, de Khaled Hosseini.

Livro Falante - www.livrofalante.com.br – Entre os títulos da casa, estão Contos negreiros, de Marcelino Freire, e obras de Machado de Assis, como Dom Casmurro e Quincas Borba, ambas narradas por Rafael Cortez.

Livro Sonoro - www.livrosonoro.com.br - Os títulos são de religião (A roda da vida e Bíblia sonora) e de poesia, com quatro obras com versos de Fernando Pessoa, incluindo seletas de seus heterônimos.

Nossa Cultura - www.nossacultura.com.br – No catálogo na editora estão obras como Gandhi - A história de minhas experiências com a verdade, O monge e o executivo, Febre de bola e Água para elefantes.

Plugme - www.plugme.com.br - O livro 1822, de Laurentino Gomes, saiu pela editora. Também são da Plugme O auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, e Mal secreto inveja, de Zuenir Ventura.

Universidade Falada – www.universidadefalada.com.br – Obras de Nelson Rodrigues, Carlos Drummond de Andrade, Kafka, Patativa do Assaré e Moacyr Scliar são alguns dos atrativos da editora.

Rocco – www.rocco.com.br - O grande atrativo são as obras de J. K. Rowling, autora da série Harry Potter, que pertencem à Rocco. A casa ainda tem audiolivros de Clarice Lispector.

Leia a matéria completa no Jornal do Commercio deste domingo (7/4).




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM