Jornal do Commercio
ILUSTRADOS

Parceria de Ziraldo e Mauricio de Sousa rende livros infantis

Dois dos maiores autores de títulos para crianças do País, cada um desenhou o roteiro de outro para compor novas obras

Publicado em 14/04/2013, às 05h20

Em O reizinho do castelo distante, Ziraldo desenho o roteiro de Mauricio de Sousa / Divulgação
Em O reizinho do castelo distante, Ziraldo desenho o roteiro de Mauricio de Sousa
Divulgação
Diogo Guedes

Boa parte da crianças brasileiras, aos menos nos últimos 50 anos, pôs na prática o aprendizado da leitura com eles – e de que serviria saber juntar as sílabas se não para ler os livros infantis e histórias em quadrinhos que antes eram lidos como objetos mágicos pelos pais e irmãos mais velhos? Ziraldo, 80 anos, e Maurício de Sousa, 77 anos, são verdadeiros titãs da produção de obras infantis nacionais: sem exagero, o começo da carreira dos dois pode ser usado como marco do surgimento das HQs modernas no Brasil.

Então, quando eles se reúnem para trabalhar juntos criando dois livros, a expectativa não poderia ser maior. Os dois são os maiores nomes desde Monteiro Lobato para os leitores infantis, com repercussões fora dessas áreas de atuação; Ziraldo no humor adulto e político, Maurício de Sousa na presença em várias mídias dos seus personagens.

“Não sei se é o encontro de dois gigantes, mas é pelo menos o encontro de dois velhinhos”, brinca Ziraldo, em entrevista por telefone ao Jornal do Commercio, do Rio de Janeiro. A parceria, ele conta, veio da ideia do seu editor na Melhoramentos, casa que publica trabalhos dos dois. “Pensaram: os dois desenham e escrevem; por que não juntá-los?”. Em 2011, saiu o primeiro resultado, fruto do roteiro do criador do Menino Maluquinho e do desenho do pai da Mônica: O maior anão do mundo, de premissa engraçada e com toques do humor veloz de Ziraldo. Nela, um anão de altura ainda maior que os homens comuns procura sua verdadeira vocação na vida.



Agora chega às livrarias o segundo trabalho da dupla, O reizinho do castelo perdido, em que cada um dos autores inverte o papel. A história construída por Maurício é uma espécie de parábola, com tema mais sério. Um reizinho que costumava ouvir seu povo é isolado em um castelo distante por recomendação dos seus ministros – o problema é que separação física se torna uma separação de fato entre rei e súditos.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

“Eu fiz uma história bem debochada sobre o maior anão do mundo. Ficou divertido, mas o mais engraçado é que eu fiz algo humorístico e, sem combinar, o Maurício fez uma coisa mais romântica, clássica. Então, procurei fazer uma ilustração com esse tom mesmo”, explica Ziraldo.

Maurício, do seu estúdio em São Paulo, concorda. “Minha história eu criei baseada em uma ideia de anos atrás, que eu pensava que merecia ser feita para um livro. Ela ficou 30 anos perdida na minha cabeça é uma crítica que estava engasgada na minha garganta. Quando entreguei a história, até brinquei com Ziraldo: ‘Essa devia ser a sua; é você quem é o crítico político entre nós dois’”, brinca.

Leia mais no Jornal do Commercio deste domingo (14/4).



Comentários

Por Sávio Christi,13/08/2018

Excelente artigo este, somente duas correções e um adendo: o nome do Mauricio é sem acento, roteiro é texto de quadrinho ou audiovisual (no caso, eles fizeram romances da literatura) e eles já lançaram um terceiro livro juntos (este juntando a Mônica e o Menino Maluquinho (MMMMM - Mônica e Menino Maluquinho na Montanha Mágica) em parceria com o escritor Manuel Filho)



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM