Jornal do Commercio
HOMENAGEM

A literatura celebra os 100 anos da poeta Celina de Holanda

A escritor pernambucana é considerada uma das principais autores de Pernambuco e teve uma grande atuação literária

Publicado em 18/06/2015, às 04h49

Celina de Holanda fez parte da Edições Pirata, fundamental para a Geração 65 / Reprodução
Celina de Holanda fez parte da Edições Pirata, fundamental para a Geração 65
Reprodução
Diogo Guedes

“Os amigos chegam,/ venham de onde vierem, ponho a mesa.” O final do poema Os Amigos, da escritora pernambucana Celina de Holanda, é uma das melhores amostras da generosidade da autora, conhecida tanto pela sua poética límpida e doce quanto por sua abertura para receber e aconselhar novos autores. Nesta sexta (19/6), família, amigos e admiradores relembram os 100 anos de nascimento da poeta com uma missa na Igreja da Jaqueira, com início às 20h.

Celina nasceu no Cabo de Santo Agostinho, onde a família tinha um engenho. Jornalista e poeta, ela publicou textos no Jornal do Commercio e Diario de Pernambuco, mas só editou o primeiro livro, O Espelho da Rosa, quando já tinha 55 anos. Vieram outros seis títulos: A Mão Extrema (1976), Sobre Esta Cidade de Rios (1979), Roda d'Água (1981), As Viagens (1984); Pantorra, o Engenho (1990) e Viagens Gerais (1995), a última obra antes da sua morte em 1999, em decorrência de um câncer.

Foi descrita pelo amigo e poeta Alberto da Cunha Melo como uma mulher tomada por um “cristianismo guerreiro”. Entre seus temas, estão o destino humano na terra, as injustiças e o cotidiano apreendido em seu lirismo. Além de escrever, ela integrou as Edições Pirata, junto com Jaci Bezerra e Alberto, parte fundamental da movimentação da Geração 65. “A casa dela era o endereço da sede da editora. Sempre tinha algum jovem mostrando seu trabalho lá, e minha mãe os recebia com o maior carinho, o maior amor”, conta a filha Ana Regina Cavalcanti. Outras amizades suas eram com autores como Mauro Mota – um dos seus mestres –, Maximiano e Renato Carneiro Campos.

“Celina sempre foi profundamente fraterna com os amigos e significou muito para os poetas de Pernambuco. Quando eles começavam a escrever, traziam os versos para ela ler. Ela comentava sempre com rigor, um rigor amoroso”, destaca a sobrinha e produtora Andréa Mota. “Tanto na sua poesia como no cotidiano ela sempre se expressou com clareza e rigor.”



Segundo a escritora e pesquisadora Luzilá Gonçalves, esse era o maior traço de Celina – sua casa estava constantemente aberta a outros autores e amigos. “Enquanto ela era viva, a poesia dela não recebeu a atenção que devia. Apesar de termos outras grandes poetas mulheres, ela, junto com Deborah Brennand, é uma das duas maiores de Pernambuco”, define.

“Era uma mulher que perseguia a palavra. Escrevia todo dia, em qualquer lugar, em qualquer pedaço de papel. E depois reescrevia e reescrevia”, aponta Andréa. Aos 18 anos, ela ajudava a tia Cecé a revisar seus textos. Um dia, confessou que entendia mais o que Alberto da Cunha Melo escrevia do que o que ela fazia. Ouviu a resposta que nunca saiu da sua mente: “Minha sobrinha, para mim, o difícil é ser simples”.

Para celebrar o centenário de Celina, a família da poeta ainda tem dois projetos: lutar pela criação de uma estátua da autora com o poema Os Amigos na pracinha da Avenida Beira-Rio, pois Celina morou na região; e reeditar o último livro dela, Viagens Gerais, publicado pela Fundarpe.


Palavras-chave


Comentários

Por Adauto,12/04/2017

O redator precisa , urgentemente, fazer uma reciclagem de redação e de gramática, nos aspectos: feminino e masculino e concordância nominal.

Por dauto,12/04/2017

O feminino de POETA não é POETISA?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM