Jornal do Commercio
FEMINISMO

Criadoras do Leia Mulheres falam sobre o crescimento do projeto

No Recife, os encontros são coordenados pelas jornalistas e críticas Carol Almeida e Priscilla Campos

Publicado em 13/10/2015, às 15h44

Carol Almeida (foto) realiza o projeto no Recife junto com Priscilla Campos. Um dos encontros ocorreu na Bienal Internacional do Livro de Pernambuco / Bienal Internacional do Livro de Pernambuco/Divulgação
Carol Almeida (foto) realiza o projeto no Recife junto com Priscilla Campos. Um dos encontros ocorreu na Bienal Internacional do Livro de Pernambuco
Bienal Internacional do Livro de Pernambuco/Divulgação
Rodolfo Viana/Folhapress

Juliana Leuenroth e Juliana Gomes se conheceram há sete anos, quando trabalhavam na Livraria da Vila. Tempos depois, Leuenroth apresentou a Gomes uma amiga, Michelle Henriques, coautora do blog As Bastardas. As três tinham três coisas em comum: gostavam de literatura, eram feministas e, em contraste a isso, suas bibliotecas pessoais tinham majoritariamente livros escritos por homens.

A percepção deste cenário foi o estopim para a criação do projeto Leia Mulheres, em março deste ano. Trata-se de uma espécie de clube do livro que busca estimular a apreciação de textos literários de escritoras.

"Continuamos a ler homens, mas precisamos incentivar a produção, a publicação e a divulgação de livros escritos por mulheres também", diz Gomes. "Assim como também a formação de críticas literárias, jornalistas culturais e curadoras de projetos sociais que utilizem a literatura como fio condutor do início de uma mudança."

Nesses sete meses de existência, o Leia Mulheres já realizou sete encontros em São Paulo e outros seis no Rio de Janeiro. Em cada um, cerca de 20 pessoas (inclusive homens) se acomodam nos fundos de uma livraria e debatem os títulos lidos, que vão de clássicos como Frankenstein, de Mary Shelley, a contemporâneos como A Amiga Genial, de Elena Ferrante.

Recentemente, o projeto começou a se expandir para outras praças. "Estamos em dez cidades e, até o final do ano, devemos estar em mais cinco", afirma Gomes. Apenas em outubro ocorrem oito encontros nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba, Brasília, Recife, São Luís e Itapetininga. O calendário está disponível no site do projeto Leia Mulheres.

A inspiração para o projeto foi a campanha #readwomen2014, idealizada pela escritora inglesa Joanna Walsh, que propunha a leitura de mais mulheres: "Escritoras são, a maior parte do tempo, julgadas pela sua aparência, em vez de serem julgadas pela qualidade de sua escrita", disse a escritora no começo da campanha, em entrevista à revista Língua Portuguesa. "No Reino Unido, a historiadora clássica Mary Beard foi chamada de 'feia demais para a televisão', enquanto a vencedora do Booker Prize Eleanor Catton, 'apesar de nerd', é 'aceitável' porque é 'bonitinha'."

Para Walsh, a diferença de gênero influencia até mesmo na produção de livros, que "muitas vezes, publicados com capas e títulos que fazem com que o establishment literário não os tenha que levar a sério". "Aos escritores, em entrevistas, é perguntado o que pensam, enquanto às mulheres é perguntado o que sentem."



Não é apenas na terra de Walsh que o sexo feminino tem menos espaço. Nas mesas da edição deste ano da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), o maior evento do gênero no país, passaram 43 personalidades, das quais 11 eram mulheres (25,6%).

"Este é um problema da área cultural em geral. Todo mundo que trabalha com cultura hoje em dia enfrenta esta questão da presença de mulheres - presença menor do que o desejado", diz Paulo Werneck, curador das últimas duas edições da Flip e recentemente confirmado como ocupar a vaga na edição de 2016. "Estamos aumentando a presença de mulheres progressivamente."

De fato, a gestão de Werneck trouxe mais mulheres à Flip. Nas duas últimas edições, o percentual de participação feminina na festa foi de 21,1%; nos três anos anteriores, foi de 17,8%, em média.

"Não está no nível que a gente gostaria, mas há um aumento", diz Werneck. "E estamos aumentando gradativamente."

Este aumento pode indicar um futuro promissor. O presente, contudo, não é satisfatório. "Ainda existe preconceito (contra mulheres)", afirma Leuenroth. "Queremos igualdade de oportunidades e diversidade de olhares. Queremos evidenciar as diferenças que existem entre homens e mulheres - diferenças nas escolhas editoriais, em como os livros são trabalhados na editora e até mesmo em como muitas mulheres têm seus livros rejeitados para publicação."

Um dos exemplos mais significativos de machismo no meio literário é o caso da escritora norte-americana Catherine Nichols. Em abril de 2015, cansada de ser rejeitada por agentes literários, Nichols resolveu enviar o manuscrito de seu livro sob o pseudônimo de George. Ao usar um nome masculino, conseguiu 8,5 vezes mais respostas positivas. "Meu romance não era o problema", disse Nichols, em artigo publicado no site Jezebel. "O problema era eu, Catherine."

Para Nichols, o nome fez toda a diferença; para as idealizadoras do Leia Mulheres, não deveria fazer diferença alguma. No ano em que uma escritora ganhou o Nobel de Literatura - Svetlana Alexievich foi a 14ª entre os 108 laureados desde 1901-, elas querem que o texto seja apreciado sem distinção de gênero.

"Ficamos felizes quando uma mulher ganha um prêmio como o Nobel ou o Jabuti", diz Gomes. "Mas o que queremos é que isso não seja motivo de comemoração, que seja apenas pelo texto."





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM