Jornal do Commercio
CRÍTICA

Adelaide Ivánova lança novo livro de poemas por editora portuguesa

Em 'O Martelo', a autora recifense radicada em Berlim fala sobre o estupro e a liberdade sexual feminina

Publicado em 16/02/2016, às 05h08

Adelaide Ivánova já publicou também o livro Polaróides / Jakob Ganslmeier/Divulgação
Adelaide Ivánova já publicou também o livro Polaróides
Jakob Ganslmeier/Divulgação
Diogo Guedes

Conta o poema: “pergunta-me por que não/ gritei já que não estava/ amordaçada não respondi mas sei/ que já se nasce com a mordaça”. Escrever pode ser tentar arrancar essa mordaças, o leitor logo compreende ao ler o livro O Martelo, da recifense radicada em Berlim Adelaide Ivánova. Na sua segunda obra de versos, a autora de Polaróides (Cesárea, com acento mesmo) trabalha através da subjetividade e da linguagem dois temas fortes: o estupro e a liberdade sexual feminina.

Na obra da editora portuguesa Douda Correria (que pode ser comprada, via paypal, pela página do Facebook), Adelaide cria através da imagem do martelo versos sobre o machismo e, paradoxalmente, o amor. Mais do que o ícone da justiça (que também continua a ser), a ferramenta é evocada como o sintoma da insegurança: num dos poemas, é preciso dormir com um martelo embaixo do travesseiro para permitir a reação a novos ataques.

Antes, na poesia da recifense, a ironia parecia direcionada a si mesmo, quase como uma saborosa auto-crueldade. Agora, em O Martelo, Adelaide leva sua mira também para fora de si. Sua ironia despretensiosa empresta leveza ao texto e, ao mesmo tempo, desfere golpes necessários no machismo, na cultura de amizades e lacunas legais que o sustentam, nas opressões físicas e morais. Há humor, há rancor, há afeto e há, principalmente, uma escrita de impacto nesse processo: a poesia é o corpo, a política e também a possibilidade de felicidade, nos seus próprios moldes.



Os versos são criados do ponto de vista do confronto: representam a vontade de não se calar, de viver apesar do horror do mundo (“não morrer/ é a sua vingança”). É por isso que existem também ali poemas de amor – amor nada idealizado – dedicados a um Humboldt. O Martelo é um livro sobre o que é necessário dizer e o que é necessário viver, apesar da violência.

Leia um poema do livro O Martelo, de Adelaide Ivánova:

a porca

a escrivã é uma pessoa
e está curiosa como são
curiosas as pessoas
pergunta-me por que bebi
tanto não respondi mas sei
que a gente bebe pra morrer
sem ter que morrer muito
pergunta-me por que não
gritei já que não estava
amordaçada não respondi mas sei
que já se nasce com a mordaça
a escrivã de camisa branca
engomada
é excelente funcionária e
datilógrafa me lembra muito
uma música
um animal não lembro qual.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM