Jornal do Commercio
PROSA

Conto de Machado de Assis ganha ilustrações com ironia a Michel Temer

Em edição artesanal, a narrativa O Dicionário - sobre um déspota poeta - é lançada com tradução na França

Publicado em 18/10/2016, às 17h59

Nas ilustrações, Michel Temer empresta seu rosto para o rei Bernardino / Wellington de Melo/Divulgação
Nas ilustrações, Michel Temer empresta seu rosto para o rei Bernardino
Wellington de Melo/Divulgação
Diogo Guedes

Recém-alçado ao posto de rei, Bernardino decide, para conquistar uma mulher, apaixonada por um escritor, promover um concurso de poesia. Chama especialistas para ajudá-lo, mas o rival o vence. Muda as regras do concurso, proíbe determinado vocábulos, e ainda assim perde novamente. Resolve, então, recolher todos os dicionários disponíveis e inventar uma nova língua para ser imbatível. Termina, mesmo assim, derrotado.

O déspota criado por Machado de Assis no conto O Dicionário parece, como tantas coisas que ele criou, uma personagem atual da nossa política – e, afinal, foi transformado em um deles nas ilustrações do escritor e editor Wellington de Melo. A história criada no século 19 ganha uma edição artesanal, com capa de papelão, pela francesa Cosette Cartonera, de Alicia Cuerva, e pela pernambucana Mariposa Cartonera. O volume tem tradução do professor Saulo Neiva, que também assina um artigo sobre o conto e participa do lançamento hoje, em Paris, na França, no Festival da Incerteza da Biblioteca da Fundação Calouste Gulbekian.

“Não é apenas um conto, se você olhar bem. Ele tem tudo a ver com o momento atual, parece ter sido escrito ontem”, conta Wellington, que emprestou o rosto de Michel Temer para a figura do rei. “Machado, monarquista, podia até estar sugerindo que um rei vindo da multidão não daria certo, mas Bernardino é um amálgama de tudo de ruim que há na política do Brasil, um pouco de Cunha, de Temer, de Renan Calheiros.”

A ironia de mostrar Temer como um déspota pode parecer uma brincadeira pueril, mas Wellington explica: “É bom que pareça mesmo, porque são as crianças que dizem as grandes verdades”. Com o lançamento lá fora, a ideia é reverberar um pouco as críticas ao momento político atual brasileiro, como fez o escritor Ricardo Lísias em sua recente passagem pelos Estados Unidos.



A Cosette Cartonera também vai lançar no Festival da Incerteza a tradução para o francês de Alicia Cuerva para o livro O Caçador de Mariposas, de Wellington.

AQUARIUS

Entre os próximo lançamentos da Mariposa Cartonera, estão muitas obra que discutem o cenário social e político do Brasil de hoje, “mas sem serem panfletos”. 

Um conto do pernambucano José Luiz Passos, Marinheiro Só, vai ganhar uma edição artesanal. Além disso, o editor adianta que está concluindo a coletânea Aquarius, com contos de José Luiz Passos, Ricardo Lísias, Maria Valéria Rezende e Nivaldo Tenório, todos com uma personagem chamada Clara como a protagonista do filme de Kleber Mendonça Filho.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM