Jornal do Commercio
Slam BR 2018

Aos 15 anos, Bione representa Pernambuco no Slam BR 2018

Competição nacional tem início nesta quarta (12)

Publicado em 10/12/2018, às 09h29

A poeta pernambucana Bione / Foto: Leo Motta / JC Imagem
A poeta pernambucana Bione
Foto: Leo Motta / JC Imagem
Erika Muniz

“O que eu vivo eu escrevo e o que eu escrevo eu recito”. Eis uma das frases que a jovem poeta Bione nos diz sobre onde vai buscar seus versos. Bione, aliás, é como Júlia escolheu ser chamada. Dizer que sua poesia está à frente deste tempo não é exagero. Ao contrário, seus versos demonstram a sabedoria de quem sente na pele a necessidade de refletir sobre a história e a formação deste país para, assim, construir um futuro melhor e mais justo. Aos 15 anos, a estudante revela profunda consciência estética e, sobretudo, política. Resultado disso é que embarca, nesta terça (11), para São Paulo como representante de Pernambuco na quinta edição do Slam BR, o Campeonato Nacional de Poesia Falada. A competição acontece entre os dias 12 e 16 de dezembro, no CineSesc e Sesc Pinheiros.

Atualmente, Pernambuco vem sediando três slams, título para as batalhas de poetry slam (poesia falada, em livre tradução) e são eles o Slam PE, o Slam Caruaru e o Slam das Minas PE, neste último só participam mulheres. Como vencedora do Slam das Minas, Bione concorreu e venceu o campeonato estadual, que aconteceu na Rua da Aurora. Quem vence, participa da disputa nacional. Ano passado, a pernambucana Bell Puã foi a vencedora do nacional e, posteriormente, concorreu o mundial em Paris. Bione diz encontrar nela e na MC Lilo, integrante do 8.0.8 Crew, algumas de suas influências, que são muitas, sobretudo no rap nacional. “Ver três poetas almejando uma vaga no nacional foi muito bom. Eu fui para mostrar o que eu tinha, o que sempre fiz: escrever”, diz a jovem em entrevista ao Jornal do Commercio.

Demonstrando constante vontade pela escrita e por levantá-la na voz, a artista confessa perceber os aplausos, as entrevistas e os convites como resultado de algo que ela faz  a fim de emocionar. “É muito bom participar de tudo isso. Quero mostrar o que eu tenho, se eu ganhar é uma consequência. Sempre fui por essa linha de raciocínio. Isso tem dado certo para mim. Quero sorrisos e que as pessoas me compreendam, que meu povo me compreenda. Se eu ganhei o Slam, foi por consequência da minha vivência, do meu trabalho, do meu esforço porque escrever é um esforço”, confessa Júlia, que complementa: “Às vezes as pessoas pensam que porque a gente recita e faz uma brincadeira, a gente não sofreu para escrever. O que eu coloco no papel, eu vivencio. Escrevo só o que eu vivo. Se eu escrevo sobre o racismo, o machismo, e todas essas questões, significa que eu estou vivenciando. É um certo desabafo. Estou muito feliz por estar representando meu estado, assim com Bell Puã no ano passado”, afirma. Um dos sonhos de Bione é tornar-se MC. Essa vontade está bem próxima, pois com a parceria da Aqualtune Produções, coletivo formado por mulheres negras e periféricas ligadas à música e arte, tem encontrado estímulo e colaboração na divulgação de seu trabalho.

Desde o anúncio da vitória, seus dias têm sido intensos. Se apresentou no Som da Rural no domingo passado, no Pátio de São Pedro, deixando o público bastante envolvido e empolgado. Além disso, tem escrito mais constantemente. Atenta como é, escuta o que a cidade fala para ela em suas andanças. Um de seus poemas, por exemplo, conta que surgiu por acaso, após escutar alguém falar e criou uma rima quase imediatamente.



Criação

“O que me dá um start é quando eu consigo criar uma frase de efeito, por exemplo, ‘Preta, favelada/vou calando a boca de quem quer me ver calada’. O resto surge na minha cabeça. Eu ouvi alguma coisa no ônibus. Essa poesia, Preta, Favelada é uma das únicas que tem um mote. Essa eu fiz no ano passado e recitei na final do Slam, ano passado. Eu penso ‘Tamos protagonizando’ e aí vem ‘E agonizando’. Não tem muito segredo não”, conta entre risos.

 

 

Filha de Janaína Melo e irmã Juliana Wittória, Bione mora com a família no bairro do Prado. Em conversa com o JC, Janaína conta que procura colaborar com o veio artístico de sua filha e diz estar orgulhosa da participação no Slam BR. Mas também diz que no início foi difícil, devido à preocupação diante do caráter politizado que os poemas declamados por Bione estabelecem. “Ela foi me mostrando que era sério e o quanto o que ela faz é importante”, disse a articuladora de políticas públicas.

Não é a primeira vez que ela vai a São Paulo competir, pois em maio deste ano, participou junto à poeta Patrícia Naia da competição em duplas. “A gente ficou em quarto lugar no nacional, mas foi muito legal. Esta é a primeira vez que eu vou para recitar sozinha, só como Bione”, relata.

Sobre o que vem preparando para este próximo evento, ela conta que tem produzido constantemente. “Para as batalhas , tenho algumas selecionadas, mas não quero apenas levar inéditos. Tem gente daqui que me conhece e recita junto comigo quando começo. Quero que o povo pernambucano se sinta comigo. É tudo minha raiz”, afirma.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM