Jornal do Commercio
Notícia
Reconhecimento

Vencedores do Prêmio Nobel de Literatura 2018 e 2019 são revelados

A polonesa Olga Tokarczuk e o austríaco Peter Handke foram os escolhidos pela Academia Sueca para receber o Prêmio Nobel, suspenso em 2018 após escândalo de assédio sexual

Publicado em 10/10/2019, às 08h54

Olga Tokarczuk e Perter Handke conquistam o Nobel / Foto: AFP/Reprodução
Olga Tokarczuk e Perter Handke conquistam o Nobel
Foto: AFP/Reprodução
Maria Fernanda Rodrigues, da Estadão Conteúdo

A polonesa Olga Tokarczuk, 57 anos, é a ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura 2018 e o austríaco Peter Handke, 76 anos, é o vencedor da premiação em 2019. O anúncio foi feito pela Academia Sueca nesta quinta-feira, 10, depois desta viver um grande escândalo de assédio sexual e de vazamento de informações, iniciado em 2017, que a fez suspender a premiação no ano passado.

Olga Tokarczuk nasceu em 1962, estreou na literatura em 1993 e ganhou Booker International em 2018 com Flight. Dela, o leitor brasileiro encontra Os Vagantes, publicado em 2014 pela Tinta Negra.

De Peter Handke, a Perspectiva publicou, em 2015, a antologia Peter Handke: Peças Faladas, com quatro textos de meados dos anos 1960 (Predição, Insulto ao Público, Autoacusação e Gritos de Socorro).

A Academia Sueca destacou que Olga foi escolhida por "imaginação narrativa que, com paixão enciclopédica, representa o cruzamento de fronteiras como uma forma de vida". Já Handke, "por um trabalho influente que, com engenhosidade linguística, explorou a periferia e a especificidade da experiência humana".

Desde que foi criado, em 1901, o Prêmio Nobel de Literatura já foi concedido 110 vezes e premiou 114 pessoas (em 1904, 1917, 1966 e 1974 ele foi dividido entre dois premiados). Dos 114 premiados, apenas 14 são mulheres. A média de idade dos vencedores é 65 anos - Rudyard Kipling foi o mais jovem, com 41, e Doris Lessing a mais velha, com 88.

Crise em 2018

Em novembro de 2017, 18 mulheres acusaram uma conhecida personalidade da cultura francesa, com quem a prestigiada instituição tinha vínculos estreitos, de violência e/ou assédio sexual. O episódio envolvia o dramaturgo Jean-Claude Arnault, uma grande figura cultural na Suécia e marido da poeta Katarina Frostenson, membro da Academia.

A Academia cortou relações com Arnault e determinou uma auditoria sobre suas relações com a instituição, mas desacordos internos nas medidas a tomar geraram confusão.



Diante das circunstâncias, sete membros da Academia - de um total de 18 - renunciaram, incluindo a secretária permanente, Sara Danius. Eles eram designados de forma vitalícia e não tinham "autorização" para renunciar, mas poderiam optar por não participar das reuniões e decisões.

O relatório da auditoria descartou que Arnault tenha influenciado em decisões sobre prêmios e confirmou que a confidencialidade sobre o ganhador do Nobel foi violada em várias ocasiões.

O escândalo provocou especulações nos meios de comunicação sobre o destino do prêmio literário, que foi entregue em 2017 ao autor britânico-japonês Kazuo Ishiguro, e no ano anterior ao cantor e compositor americano Bob Dylan.

O rei da Suécia, Carlos XVI Gustavo, que é o principal responsável pela Academia fundada em 1786, concordou em modificar os estatutos para permitir que os membros renunciem e sejam substituídos, garantindo assim a sobrevivência da instituição.

Em maio, a edição 2018 do Prêmio Nobel de Literatura foi adiada para 2019. Um novo capítulo da novela do Nobel foi acrescentado à história no dia 1º de outubro de 2018. Aos 72 anos, Jean-Claude Arnault foi condenado a dois anos de prisão por estuprar duas vezes, em outubro e dezembro de 2011, uma jovem em um apartamento em Estocolmo.

Em janeiro de 2019, Katarina Frostenson deixou a Academia Sueca. A investigação sobre se ela vazou informações não foi levada adiante, e em comum acordo com a instituição ela formalizou sua saída.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM