Jornal do Commercio
CRIOLO

A arte de Criolo

Nó na orelha foi um dos discos mais celebrados do ano

Publicado em 23/10/2011, às 13h10

Do JC Online

Poético e crítico. Por vezes vago, por vezes milimetricamente preciso. Kleber Cavalcante Gomes tem 36 anos, uma voz mansa e duas décadas de experiência no rap. Quando tinha 11 anos viu um amigo rimar e fez o seu primeiro verso. Aos 13, subiu no palco montado no bairro de Grajaú, na Zona Sul de São Paulo, onde nasceu e foi criado pelos pais cearenses, ao lado dos quatro irmãos. E faz rimas até hoje. Kleber é Criolo, músico que estourou na mídia e nas redes sociais. Com elogios rasgados dos críticos, ele é o novo queridinho da música popular brasileira. O sucesso de Criolo (antes Doido, agora, só Criolo) pode ser atribuído a diversos fatores, no entanto, não devemos afirmar que é repentino.

Há mais de duas décadas, Criolo é um respeitado MC entre a comunidade do rap paulista. Com Nó na orelha, segundo CD da carreira, lançado em abril de 2011, o seu trabalho se expandiu para novas sonoridades. “O meu berço é o rap, mas não existem fronteiras para a minha poesia”, afirmou o cantor em um dos seus vídeos. Com Não existe amor em SP, canção que entrou no disco por acaso, Criolo alcançou a marcar de 200 mil downloads em poucos meses. Na última quinta-feira, Caetano Veloso e o MC tocaram a música, no VMB, da MTV, premiação na qual, o músico foi agraciado com os prêmios de melhor música (Não existe amor em SP), melhor disco (Nó na orelha) e de artista revelação do ano.

“Um conjunto de coisas fez com que isso acontecesse. Acho que a internet ajudou, a possibilidade de disponibilizar o seu trabalho. O Nó na orelha é um disco feito sem pretensões, é o registro de canções que eu tinha há 12, 15 anos. Além disso, a quantidade de coisas que tem nele: bolero, samba, reggae. Alguém pode ter achado curioso e passou para os amigos (risos), e as coisas foram acontecendo”, contou o músico em conversa por telefone.

Nas composições, Criolo é urgente e audacioso. “Quando você é criança você não se preocupa com estética, você está fazendo aquilo pelo sentimento, pela necessidade de algo que você não sabe o que é”, analisa. Por ainda sentir essa necessidade, Criolo continua compondo: porque sofre, porque sente um dor que não consegue explicar verbalmente. No entanto, está expressa nas suas letras. “Eu não preciso de óculos pra enxergar/ O que acontece ao meu redor/ Eles dão o doce pra depois tomar/ Hoje vão ter o meu melhor”, diz na música Mariô, que faz referência a Roda viva, de Chico Buarque.

A indignação de Criolo e a sua dor vêm de casa. Quando era adolescente, o jovem convenceu a mãe, Maria Vilani, a concluir o ensino médio na mesma turma que ele. A ideia, inicialmente estranha para a família, acabou dando muito certo. Depois da graduação em pedagogia, D. Vilani fez pós-graduação em semiótica e filosofia. “Meus pais nunca se conformaram com qualquer ato de injustiça, eles são muito trabalhadores, são operários”, refletiu o músico.

Leia mais sobre Criolo no JC de hoje (23), no Caderno C

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM