Jornal do Commercio
agreste

Dominguinhos é enterrado sob forte comoção em Garanhuns

Até o sepultamento, o cemitério estava fechado apenas para que amigos, parentes e autoridades. Por volta das 14h30, a visitação foi aberta ao público geral

Publicado em 26/09/2013, às 14h32

Sanfoneiros se reuniram no Recife para lembrar Dominguinhos antes do cortejo sair para Garanhuns / Foto: Mateus Araújo/JC
Sanfoneiros se reuniram no Recife para lembrar Dominguinhos antes do cortejo sair para Garanhuns
Foto: Mateus Araújo/JC
Pedro Romero

GARANHUNS – Terra natal do cantor e compositor Dominguinhos, Garanhuns parou ontem para receber o corpo de um dos seus filhos mais ilustres. O caixão chegou ao Cemitério São Miguel no início da tarde e foi sepultado sob aplausos da população e ao som de suas músicas, tocadas por uma orquestra mirim. Apesar da tristeza da despedida, o clima era também de felicidade, por atender a um dos desejos do artista. O enterro na cidade foi um pedido do músico, cujo corpo estava enterrado no Cemitério Morada da Paz, no Recife.

O corpo de Dominguinhos foi sepultado em um túmulo de concreto feito especialmente para ele. Na lápide, uma foto em aço escovado e o trecho de uma de suas músicas mais conhecidas: "De volta pro meu aconchego". Parentes, autoridades e amigos ficaram emocionados e muitos choraram no último momento.

“É uma homenagem muito linda. É muita emoção, valeu a pena esperar um pouquinho para ver uma festa tão bonita. Ele está sendo homenageado pelo trabalho, pela simplicidade. A gente nunca vai parar de homenagear este homem”, disse a filha Liv Moraes.

Único filho homem de Dominguinhos, Mauro Moraes, destacou seu esforço em trazer o corpo de Dominguinhos a Garanhuns. “O desejo dele foi respeitado. Se ele não fosse enterrado aqui, era como se Luiz Gonzaga não estivesse em Exu”.

Três irmãos de Dominguinhos que moram no Rio de Janeiro vieram especialmente para participar do evento. “Faz 70 anos que saí daqui e estou muito feliz por estar de volta. Meu irmão gostava de festa. Ele disse que quando morresse gostaria de ficar aqui. Agora está tudo certo”, disse emocionada Maria Auxiliadora Moraes, de 61 anos. Outro que estava emocionado foi o prefeito de Garanhuns, Izaías Régis, um dos que defenderam a vinda do corpo de Dominguinhos à Cidade das Flores. “É uma história viva de Garanhuns”, resumiu.

Além de amigos e familiares, a população também foi dar seu último adeus a Dominguinhos. Uma dessas pessoas foi a aposentada Clemilda de Melo Costa, 71, que levou flores para depositar no túmulo do artista. “Sou fã dele, assim como toda a minha família. Vim fazer essa homenagem e vou rezar por ele”, disse ela.

Depois do sepultamento, as homenagens continuaram em um palco armado em frente ao cemitério. Artistas como o Maestro Camarão e o sanfoneiro Cezzinha cantaram algumas das músicas mais conhecidas do herdeiro de Luiz Gonzaga. O público assistia e cantava, e ficou até o final das apresentações, apesar do sol forte no Agreste.

Desde as 10h desta quinta-feira (26), a cidade de Garanhus, no Agreste de Pernambuco, parou para receber o corpo do seu filho, Dominguinhos. Dois meses depois de sua morte, o músico pôde ser enterrado onde desejava, no cemitério São Miguel. O município ficou tomado de fãs e curiosos emocionados, que quiseram prestar sua última homenagem ao artista. Ele foi sepultado num mausoléu construído pela Prefeitura da cidade.



CEMITÉRIO - A Prefeitura garanhuense preparou um mausoléu para abrigar o corpo do cantor, no cemitério São Miguel, na Avenida Luís Burgos, ao lado do túmulo do cantor e compositor Augusto Calheiros. O projeto do mausoléu é do arquiteto Roberto Maia.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM