Jornal do Commercio
clássico

Eruditismo contemporâneo é o complexo de édipo na música

Início do século 20 na música clássica foi marcado pelo surgimento de novas formas de composição, com ruídos, intervenções eletrônicas e mais liberdade

Publicado em 15/12/2013, às 07h00

Alípio Carvalho Neto mistura gêneros, sons e ruídos / Foto: Rachele Gigli/Divulgação
Alípio Carvalho Neto mistura gêneros, sons e ruídos
Foto: Rachele Gigli/Divulgação
Valentine Herold
vherold@jc.com.br

No final do século 19 – mais precisamente no ano de 1897 –, o psicanalista austríaco Sigmund Freud escrevia, em uma carta ao seu colega Wilhelm Fliess, uma teoria que viria a se transformar no Complexo de Édipo. Todo filho deveria, para Freud, “matar o pai”. Assim, cada um poderia assumir sua individualidade e trilhar seu próprio caminho. Poucos anos depois da troca de ideias entre os dois médicos, a música clássica que até então reinava seria assassinada pelo próprio filho: o eruditismo contemporâneo.

Matar não significa anular por inteiro as características anteriores, mas sim inovar e libertar-se. Foi assim, matando simbolicamente (e também em aspectos práticos) a figura paterna das formas tonais, harmônicas e melódicas que prevaleciam na música erudita que os compositores modernos romperam com a linguagem consagrada por nomes como Bach, Mozart e Beethoven. 

A música erudita abriu uma porta para formas mais experimentais de compor e interpretar. Claude Debussy, Maurice Ravel, Igor Stravinski, Luigo Russolo e Arnold Schönberg foram alguns dos compositores mais importantes do início do século passado e que encabeçaram o movimento de mudança na música clássica.

“O século 20 foi uma época difícil. A Europa passou por duas guerras e a constante valorização das máquinas. E isso se refletiu também nas artes. No caso da música erudita – ou de concerto como eu prefiro chamar –, os compositores começaram a aventurar-se em formas atonais, ruídos e intervenções de música eletrônica”, explica o pianista e professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Marcílio Onofre. 



As formas não convencionais e mais experimentais da vertente atual da música erudita contemporânea, liderada por nomes como os de John Cage, Phillip Glass e Almeida Prado, entre os mais conhecidos mundialmente, pode bem ser definida parafraseando Fausto, de Goethe: “prestes me sinto a penetrar a altura, a entranhar-me em órbitas etéreas, novas regiões de atividade pura.” O trecho é lembrado pelo crítico musical Alex Ross em sua obra O resto é ruído.

Compositores que marcaram a segunda metade do século 20 (Glass, Cage e outros) abriram os caminhos para formas ainda mais ousadas e estranhas aos ouvidos na primeira escuta. Nomes como os do franco-italiano Steffano Gervasoni e dos pernambucanos Armando Lobo Neto e Alípio Carvalho Neto.

Armando acredita que a maior característica da música erudita contemporânea é encarar o som como uma unidade inteira de sentido. “Às vezes nem precisa de melodia ou harmonia”, diz. Gervasoni esteve no Recife durante a última semana de novembro para participar da segunda edição do festival Virtuosi Século XXI. Na ocasião, ele ministrou uma oficina de composição, onde comentou sobre a percepção de perda de identidade dos instrumentos em suas composições. Isto é, distorção dos sons que leva um musicista extrapolar o rol de sonoridades convencionais disponíveis em seu instrumentos. 

Para Alípio, é arriscado definir se o grau de ousadia dos atuais compositores é maior que os do século 20 por ainda experimentarmos uma elaboração e reelaboração do século passado. “Ainda estamos no início daquilo que realmente será, creio eu, uma síntese entre música erudita, eletrônica-tecnologia avançada e tradições populares com uma tendência ao reencontro com o telúrico, com o transe, etc., de forma mais profunda”, analisa. O eruditismo contemporâneo matou seus pais simbólicos, mas ainda está em pleno processo de aprendizagem e amadurecimento.

Leia matéria na íntegra na ediçao deste domingo (15) no Caderno C, do Jornal do Commercio




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM