Jornal do Commercio
DISSENSO

Tantão é profeta do caos no álbum 'Espectro'

Membro da seminal banda carioca Black Future lança seu primeiro álbum solo

Publicado em 27/08/2017, às 10h00

Tantão vocifera versos delirantes / Foto: Gabraz Sanna
Tantão vocifera versos delirantes
Foto: Gabraz Sanna
GG ALBUQUERQUE

Carlos Antonio Mattos pode não ser um nome muito conhecido na música de Pernambuco ou do Nordeste, contudo, a influência do surrealismo suburbano de Tantão (a sua persona artística) e as combinações do Black Future (banda com a qual lançou apenas um álbum, incluindo o anti-hino carioca Eu Sou o Rio) permeiam o som de uma série de artistas – dos aclamados Planet Hemp e Chico Science & Nação Zumbi até os novos experimentos sônicos do coletivo multimídia DEDO e os artistas do Chelpa Ferro.

O homônimo álbum do Black Future (1988) contava com a participação de alguns nomes centrais da cena post punk – Edgar Scandurra (Ira!), Paulo Miklos (Titãs), Edu K (De Falla) e Alex Antunes (Akira S e as Garotas que erraram) e produção de Thomas Pappon (Fellini) – e incensou a iniciante carreira dos cariocas, elogiados pela revista Bizz e outros veículos da imprensa. Mas vieram os anos 1990: “A banda acabou, eu não tava naquela onda dark, embarquei na eletrônica, na acid house”, conta Tantão. Ele montou a John Merrick Experience, que não vai muito além de demos caseiras e acaba deixando a bateria eletrônica e sintetizadores para trabalhar em um estaleiro em Niterói.

Entre uma série de idas e vindas, Tantão voltou ao Rio, estabeleceu-se como pintor (com residências na Europa e expô individual em Amsterdã) e realizou shows esporádicos no underground carioca. Mas só agora sai o disco que completa este ciclo de um poeta “maldito”: Espectro, com Tantão na voz e Os Fita (isto é, os produtores Cainã Bomilcar e Abel Duarte) nos arranjos.



Lisergia fantástica e violenta

Sob beats pesados e ruídos d’Os Fita, Tantão vocifera letras de um delírio fantástico. Estes versos – que vão do faraó Akhenaton à performer Márcia X, do pintor Leonilson à física quântica com a maior naturalidade – são característicos dele, que os cria durante a lisergia das apresentações (ele confessa que “não dá para fazer show de cara”). Na faixa título, ele viaja pelo espaço: “Além do alcançe dos olhos/ Barra de estrelas/ Barra pesada/ Buraco negro/ Medida de segurança (...)/ Ondas de densidade/ Espectro/ Eletromagnético Radioastronomia”. “Meus amigos físicos acham que eu entendo do assunto, mas a história dessa música é que um amigo meu dava aula de física avançada para leigos. Eu ia lá, ficava ouvindo ele falar aquelas coisas de buraco negro… Para mim aquilo é poesia”, diz, explicando a história da música enquanto dá risada.

Apesar de toda loucura, há também um muito consciente na poesia, na música e em toda produção de Tantão. Os versos são espontâneo, surgem no calor do improviso, mas ele também os anota, repete, modifica, aperfeiçoa e molda a todo momento. Os versos são mínimos, enxutos e com precisas associações de palavras que proliferam uma diversidade de imagens, cores, sons, sentimentos. É o caso do desespero apocalíptico de Portal: “Inventamos/ Abrimos um portal muito perigoso/ Portal, letal, perigoso, maravilhoso, barra pesada”. Ou ainda a aflição de Refugiados: “Sem porto para atracar/ Somente o mar/ Navegar”.

A música de Tantão é uma espécie de partícula-síntese que contém em sua forma uma série de contradições e absurdos, como é a figura mítica do próprio Tantão, o junkie, o gênio ainda não reconhecido. Espectro é um trabalho que potencializa todas estas incertezas, um álbum próprio do dissenso, que causa mais confusão na mente do ouvinte. E um “retorno” de ouro de um grande artista que, na verdade, nunca esteve fora de cena.





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM