Jornal do Commercio
TRAJETÓRIA

Miranda deixa legado permanente no pop rock brasileiro

Produtor musical e ex-jurado de programas de calouros lançou artistas que marcaram época nos anos 1990, 2000 e 2010

Publicado em 23/03/2018, às 03h33

Miranda produziu artistas como Skank, Otto e Gaby Amarantos. / Foto: Divulgação
Miranda produziu artistas como Skank, Otto e Gaby Amarantos.
Foto: Divulgação
JC Online

Por volta das 20h dessa quinta-feira (22), o produtor musical Carlos Eduardo Miranda, após sentir uma forte dor de cabeça, faleceu. Aos 56 anos, a morte precoce do ex-jurado de programas de calouros de sucesso como “Ídolos”, “Astros” e “Qual é o seu talento?” pegou de surpresa público e o meio artístico. As mensagens de comoção tomaram conta das redes sociais. Miranda, que produziu artistas como Skank, Otto e Gaby Amarantos, foi lembrado por sua importância na história recente da música brasileira.

Na década de 1990, Miranda era jornalista da extinta revista Bizz. Na publicação, ele escrevia sobre bandas independentes. Foi um dos responsáveis por dar notoriedade aos Raimundos e, no Recife, ao movimento manguebeat. Ele, junto com os Titãs, foi fundador do selo “Banguela Records”, da Warner Music Brasil, que lançou álbuns históricos como “Samba Esquema Noise” (1994), do Mundo Livre S/A, e “Raimundos” (1994), que figuram na lista de 100 melhores da música brasileira da revista Rolling Stone.



Contrato falso para o Planet Hemp

Em entrevista ao também produtor Cesar Gavin, Miranda contou como ajudou o Planet Hemp a assinar um contrato com a Sony Music. Ele deu um contrato falso da Banguela Records aos integrantes da banda para que a Sony assinasse um contrato completo com o Planet. “Nós não vamos contratar vocês porque somos o Banguela [...], a gente é muito doido… Se vocês forem presos com essas maconhas (sic) de vocês, vão precisar de alguém careta para ajudar”, justificou. A história do Banguela Records foi contada no filme “Sem Dentes: Banguela Records e a turma de 94” (2015), dirigido pelo jornalista e cineasta Ricardo Alexandre.

Miranda foi jurado dos programas Ídolos e demais similares no SBT. Nos programas, era conhecido pelo jeito sarcástico com que tratava os candidatos. Com mais frequência, compunha bancada com Arnaldo Saccomani, Cynthia Zamorano e Thomas Roth. De muito sucesso nos bastidores da indústria musical, o grande público conheceu Miranda graças a essa trajetória na televisão.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM