Jornal do Commercio
24ª edição

Festival da Seresta leva música e nostalgia ao Bairro do Recife

Chuva até tentou atrapalhar, mas muita gente se reuniu para acompanhar os shows de Maria Dapaz, Los Cubanos, Gilliard e Adilson Ramos na Praça do Arsenal

Publicado em 11/05/2018, às 22h45

Com sombrinhas e capas de chuva, o público não deixou faltar animação durante os show / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Com sombrinhas e capas de chuva, o público não deixou faltar animação durante os show
Foto: Guga Matos/JC Imagem
JC Online

A chuva até tentou atrapalhar, mas a noite desta sexta-feira (11) foi de música e nostalgia no Bairro do Recife. A 24ª edição do Festival Nacional da Seresta levou muita gente à Praça do Arsenal para acompanhar os shows de Maria Dapaz, Los Cubanos, Gilliard e Adilson Ramos. Munidos de sombrinhas e capas de chuva, o público, de idades variadas, incluindo casais, grupos de amigos e mães acompanhadas dos filhos, se aglomerou em frente ao palco, com uma extrema disposição para cantar os sucessos apresentados na Noite do Bolero.

Ao lado dos dois filhos, a professora aposentada Ana Maria Rocha, 66 anos, era uma das que mais animadas durante o show de Maria Dapaz. “Sempre fico na expectativa para os shows. Todo ano é tão bom, não tennho nem o que dizer. São atrações muito boas e para qualquer idade, você encontra gente aqui dos 8 aos 80 anos.” São músicas que ficam na memória de todo mundo”, afirmou.



A vontade de rememorar as canções que marcaram o começo do relacionamento foi o que levou o casal de aposentados de Camaragibe, Judite Pereira Lima,57, e Manoel Pereira Lima, 69, ao festival. “Essas músicas trazem lembranças pessoais, nos conhecemos ao som delas”, relembra Judite. Os dois, como tantos outros presentes, destacaram Gilliard e Adilson Ramos como as grandes atrações da noite. O evento, que já faz parte do calendário festivo do Recife, atraiu até um grupo de vizinhos de Escada, na Zona da Mata Sul do Estado. “Como moramos em uma cidade distante, só podemos vir em um dos dias dias para prestigiar. Mas se pudéssemos, estaríamos aqui em todos os dias do festival”, explica a professora Flávia Naiala Lima, 37. Para ela, a noite foi uma forma de apreciar as canções que aprendeu a gostar com os pais. “Passa de geração em geração, a gente escuta as músicas que os nossos pais escutavam e vai gostando. Isso vai passando”.

Última noite

A 24º edição do Festival Nacional da Seresta acaba neste sábado (12), a partir das 20h, com uma grande celebração às mães. A programação conta com Leonardo Sullivan e Márcio Greyck, além de Edilza Aires cantando sucessos de Dalva de Oliveira e Ângela Maria e o grupo Som da Terra interpretando músicas de Lulu Santos.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Sozinhas nasce uma mãe Sozinhas nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM