Jornal do Commercio
Do sonho à realidade

Pablo Falcão: o empresário-artista do pop nacional

Conheça o produtor pernambucano responsável por trazer Xuxa e o grupo Rouge de volta aos palcos

Publicado em 11/08/2018, às 05h00

Pablo Falcão é ator de formação e conhecido por criar o Chá da Alice, o 'XuChá' e comandar a volta do Rouge. / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Pablo Falcão é ator de formação e conhecido por criar o Chá da Alice, o 'XuChá' e comandar a volta do Rouge.
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Robson Gomes

Assim que o grupo Rouge subir ao palco do Clube Português neste sábado (11), no Recife, correndo pelo backstage estará um dos responsáveis por reunir novamente as cinco talentosas meninas após 12 anos de encerramento da girlband que marcou uma geração. Esse é mais um grande sonho realizado por um pernambucano radicado no Rio de Janeiro e que, aos 40 anos de vida recém-completos nesta semana, encontrou na arte e no showbiz o seu lugar como produtor e empresário de sucesso. Seu nome é Pablo Falcão.

Quando saiu de Recife com “poucos trocados no bolso” e foi viver numa pensão na capital fluminense em 1999, Pablo buscou formação como ator passando pelas principais escolas de teatro da cidade. Não demorou muito para que se destacasse, tanto atuando quanto escrevendo e dirigindo espetáculos. Na televisão, participou de novelas como Malhação (2006), Paraíso Tropical, Pé na Jaca e no especial Por Toda a Minha Vida (estes em 2007).

Porém um “desaniversário” seu que nasceu de brincadeira em 2009 se tornou um de seus principais cartões de visita: o Chá da Alice, uma das festas pop mais conhecidas do País. Com isso, o lado produtor de Pablo Falcão começou a ficar em evidência, armando eventos e shows especiais com grandes nomes da música pop: de Kelly Key a Anitta, passando por Ivete Sangalo, Xuxa Meneghel e, recentemente, o Rouge.

“Eu costumo dizer que sou um empresário-artista. Tenho um pensamento muito mais artístico dentro do negócio. Foi esse lado que me levou a ser empreendedor. São os meus devaneios artísticos que me levam a querer realizar projetos. Ninguém nunca imaginaria que eu conseguiria, há dois anos, conseguir convencer a Xuxa, com cinquenta e poucos anos, a voltar aos palcos de ‘chuquinha’, cantando Amiguinha Xuxa e descendo da nave”, conta Pablo.

É trabalhando com sonhos e devaneios artísticos transformados em projetos que ele agora não só conseguiu reunir a girlband que foi fenômeno dos anos 2000, como também é o novo empresário do grupo. E elas também sabem o valor que esse pernambucano agregou para este recomeço.

“Nosso retorno é devido ao encantamento que o Pablo tem com a arte em si. Ele é o tipo de pessoa que tem uma ideia na cabeça e realiza. Até mesmo as dificuldades, tipo a agenda uma da outra, nunca foi difícil para ele. O Pablo tem um olhar artístico que é fenomenal, não só com o Rouge, mas com todos os projetos que ele tem”, comenta Aline Wirley, uma das integrantes do grupo.



Luciana Andrade, também do quinteto, endossa o coro: “O Pablo é, acima de tudo, uma pessoa muito boa. O olhar dele é de criança. Ele tem uma verdade, e isso é muito raro no meio que a gente trabalha de negócios, de business. Eu sempre fiquei ao lado dele por isso. Porque acho que gerenciamento a gente aprende, mas bom coração, a gente nasce”.

Com o mesmo encantamento que as meninas tem por ele, a recíproca é verdadeira. Entre risos e brilho no olhar, ele consegue falar sério quando o papo são os rumos que o grupo vem tomando desde que ele assumiu a frente. Como por exemplo, a pressão do público por um material inédito do grupo.

“Poderíamos estar fazendo e lançando música toda a semana. Mas a música é a expressão de um artista. A arte é como se fosse um bicho epilético, que vem se manifestando e, quando você vê, aquele cara pinta. Ele expressa tudo o que está dentro dele, a alma dele, naquele pincel. O ator, no seu corpo, na sua voz e interpretação, dentro de um personagem. E o músico, dentro de sua música. Mas não pode ser fast-música”, pondera o empresário. O máximo que ele adiantou ao Jornal do Commercio é que cinco músicas e um videoclipe novo do Rouge já foram gravados, mas ainda sem previsão de lançamento.

Além do Rouge, o know-how de Pablo Falcão sobre o mundo pop o levou a aceitar novos desafios este ano: ele gerencia as carreiras das cantoras Wanessa, Kelly Key e Lorena Simpson, e está preparando a nova turnê de Xuxa Meneghel depois do XuChá: o Xuxa Xou, que estreia nos próximos meses.

Misturar sonho e realidade parece fácil para este pernambucano. Mas tudo, na verdade, é fruto de muito trabalho: “Minha função como empresário-artista não é só vender o artista para fazer shows, para o mercado publicitário: isso é um lado do trabalho. Por outro, eu busco desenvolver, junto com o artista, o melhor que ele pode dar por ele e para o público”.

VEJA A ENTREVISTA DE PABLO FALCÃO NA TV JC:





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM