Jornal do Commercio
Festival

Sons da África celebra a Consciência Negra na Caixa Cultural

Projeto que começa nesta quinta-feira (8) e vai durar três semanas abre espaço para a influência africana na música

Publicado em 08/11/2018, às 12h47

Lenna Bahule e Luizinho do Jêje são os artistas convidados para se apresentarem esta semana. / Fotos: Gabi Portilho/Divulgação e Divulgação.
Lenna Bahule e Luizinho do Jêje são os artistas convidados para se apresentarem esta semana.
Fotos: Gabi Portilho/Divulgação e Divulgação.
Robson Gomes

Em pleno mês da celebração da Consciência Negra, a Caixa Cultural Recife estreia nesta quinta-feira (8) a temporada do projeto musical Sons da África. Durante três semanas (até o dia 24 de novembro), o evento trará shows que reúnem artistas brasileiros e de países africanos para cantar histórias e memórias de povos ligados pela ancestralidade. Nesta primeira semana, a cantora Lenna Bahule (Moçambique) e o percussionista Luizinho do Jeje (Salvador) dividem o palco, de hoje até o próximo sábado (10).

Com apenas 29 anos de idade, a moçambicana Lenna Bahule é a cantora que abre a temporada do Sons da África. Oferecendo uma arte inspirada nos cantos e danças populares de sua terra natal, a artista é radicada em São Paulo desde 2012 e reconhece a importância de um evento deste porte.

“O Sons da África traz em pauta as questões da quebra de fronteiras, da união de culturas, da identidade racial, cultural, étnica até certo ponto. Eventos como esses proporcionam, além de uma experiência sensorial boa – porque todo mundo precisa da arte e cultura nas suas vidas – também tem esse lugar de ser um evento que abre um espaço para a diversidade cultural que existe no mundo, não só no Brasil e na África”, afirma Lenna, em entrevista ao Jornal do Commercio.

Lenna estará em cena junto com o percussionista baiano Luizinho do Jêje. Com uma carreira iniciada nos anos 1980, no Afoxé Rumpilé, Luizinho tem entre suas influências musicais os tambores do Terreiro Jeje, as músicas e cânticos do candomblé, as bandas de percussão da Bahia e a música tribal africana. E ao participar do Bloco Afro Olodum, intensificou sua experiência artístico-profissional em várias partes do mundo e já se apresentou ao lado de Lenna na capital baiana, na mais recente edição do projeto.



Para a jovem cantora, o sentimento de pertencimento e reconhecimento faz a diferença neste festival. “Vamos trazer um repertório formado por músicas minhas [dos discos Nômade (2012) e Taubkin & Bahule (2018)], músicas do Jeje, músicas do cancioneiro religioso e popular, das culturas dos dois”, adianta a artista.

No momento de urgência que vivemos, em que se clama por mais tolerância, o Sons da África soa como um grito de esperança para despertar a Consciência Negra nas pessoas. É o que Lenna Bahule também acredita. “Precisamos de mais arte, porque a arte desmistifica. Uma arte pura, verdadeira, conectada com a raiz, com identidade, ocupa mais espaços”, reforça.

SERVIÇO DA SEMANA

Sons da África – com Lenna Bahule e Luizinho do Jêje. De quinta-feira (8) até sábado (10), na Caixa Cultural Recife (Av. Alfredo Lisboa, 505, Praça do Marco Zero, Bairro do Recife). Horários: Quintas e sextas-feiras às 20h. Sábados, 18h e 20h. Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada), à venda no local. Informações: (81) 3425-1915.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM