Jornal do Commercio
O NOME DELA É...

Entenda como surgiu 'Jenifer', sucesso do cantor Gabriel Diniz que pode virar hit do Carnaval 2019

Rejeitada por Gusttavo Lima e quase descartada pelos seus oito compositores, a música surpreendeu ao se tornar uma das principais apostas para o próximo hit do Carnaval

Publicado em 11/01/2019, às 12h54

A música 'Jenifer', de Gabriel Diniz, é um hit nas redes sociais
 / Foto: Divulgação
A música 'Jenifer', de Gabriel Diniz, é um hit nas redes sociais
Foto: Divulgação
Da redação do jornal O POVO
Para Rede Nordeste

Acumulando pouco mais de 70 milhões de visualizações no Youtube e chegando ao topo do Spotify Brasil, a música Jenifer, de Gabriel Diniz, não teve uma trajetória muito fácil. Rejeitada por Gusttavo Lima e quase descartada pelos seus oito compositores, a canção surpreendeu ao se tornar uma das principais apostas para o próximo hit do carnaval.

A ideia de Jenifer surgiu, a princípio, quando Junior Lobo, membro do grupo de compositores 'Big Jhows', estava em uma lanchonete com os amigos e uma mulher apareceu, abraçando um deles. "A menina era meio feinha, e depois que ela foi embora, eu fui zoar ele: 'É a sua namoradinha?'. E ele respondeu: 'Não, é do Tinder'", disse ao G1.

De acordo com Junior, quando o amigo mencionou o aplicativo, uma luzinha acendeu em sua cabeça e ele logo teve a ideia de colocar o tema em uma de suas composições. Ainda assim, ele não chegou a soltar a ideia de cara para os colegas de grupo, pois acreditava que eles não iriam gostar muito da 'vibe' que a letra traria.

Dois dias depois, Junior resolveu jogar na roda e os amigos acabaram aderindo a ideia. "Cada um foi falando uma bobagem e foi saindo a música", afirmou Léo Lobo, membro do grupo.



REJEIÇÃO ENTRE OUTROS CANTORES

Na época, a música foi comprada por Gusttavo Lima, que chegou a cantá-la em um mega festival em São João de Campina Grande, em julho do ano passado. Contudo, o cantor acabou desistindo de lançá-la em seu repertório oficial por fugir de sua linha romântica.

Salvando "Jenifer" de ser engavetada, Gabriel Diniz resolveu comprar os direitos da música. Aos 28 anos, ele é conhecido como um astro do "forrónejo". Ao G1, o cantor contou que a decisão de ter a canção em repertório veio logo após conversa com o próprio Gusttavo. "Ele queria minha opinião sobre algumas músicas. Ele disse que não cabia gravar a música [Jenifer] no momento. Eu falei: 'Se for desistir, me diga'".

No final das contas, Gabriel acabou negociando com o amigo e comprou, com exclusividade, Jenifer. O clipe, lançado em setembro, conta com a atriz Mariana Xavier e a ex-BBB Aline Gotschalg no elenco. De acordo com o cantor, sua equipe não esperava que ela estourasse. "Ninguém achou que ia ser esse sucesso. Nem o pessoal do meu escritório, nem o meu empresário. O Wesley Safadão [que é sócio do escritório] não acreditou, ninguém acreditou. Foi uma aposta minha, sozinho mesmo", disse.

SÓ SE FALA DELA!

Faltando um mês para o Carnaval, a chegada de Jenifer ao topo das paradas musicais levanta as expectativas do público para que a música se torne um dos hits da data. O cantor tem 12 shows marcados quatro dias de folia nas quatro principais cidades do circuito: Salvador, Olinda, Recife e Brasília.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM