Jornal do Commercio
VERSÃO 3 D

Ainda vale ver Titanic. Agora em 3D

Nova tecnologia fez bem ao filme que terminou virando obsessão na vida de James Cameron

Publicado em 13/04/2012, às 08h42

 / Ernesto Barros

O cineasta canadense James "Eu sou o rei do mundo" Cameron está de volta aos cinemas brasileiros a partir desta sexta (13) com a esperada versão em 3D de Titanic (1997), um blockbuster que faturou US$ 1,8 bilhão e ganhou 11 Oscars. Há cerca de dois anos, quando lançou Avatar (2009), seu primeiro longa captado com câmeras 3D, Cameron havia criticado a conversão de filmes 2D para o processo estereoscópico. A lembrança do naufrágio do Titanic, que faz 100 anos sábado (14), mais os esforços da empresa Stereo D, responsável pela conversão do filme, obrigaram-no a mudar de opinião. Para Cameron, "o efeito 3D realça os momentos mais eletrizantes de Titanic e eleva a experiência para outro nível". Titanic e Avatar estão no topo da lista dos filmes mais vistos no mundo. Juntos, faturaram US$ 4,6 bilhões.



Os espectadores que assistiram ao filme na sua estreia vão se emocionar novamente com a história de amor impossível entre Rose (Kate Winslet) e Jack (Leonardo DiCaprio) e com o destino dos quase dois mil passageiros do Titanic, que naufragou no dia 14 de abril de 1912 quando atravessava o Atlântico Norte em direção à Nova Iorque. Para aqueles que só o conhecem da tela pequena, a emoção será em dobro. Além da cativante e trágica história de amor, terá um envolvimento ainda maior por causa do 3D, que funciona bem nas cenas mais marcantes envolvendo Rose e Jack, como também no aspecto mais realçado da fotografia, agora com um brilho muito maior que a versão em 35mm exibida nos cinemas há 15 anos.

Na verdade, o maior desafio vencido por Titanic nesta reestreia foi não aparecer datado em função dos efeitos digitais da época de sua produção. Ao contrário, a segunda parte do filme, que acompanha o paulatino afundamento do transatlântico, ainda é um primor de realização técnica. O som, por exemplo, é um capítulo à parte. Poucos filmes conseguiram transmitir o pavor de um desastre. A utilização dos sons emitidos pela estrutura do Titanic, que parece uivar de dor com seus estalos ensurdecedores, é o maior responsável por deixar os nervos dos espectadores em frangalhos. Para quem acompanhava a carreira de James Cameron, principalmente seus longas de ficção científica, como Aliens, o resgate (Aliens, 1986) e O exterminador do futuro 2: o julgamento final (Terminator 2: judgement day, 1991), não foi nenhuma surpresa confirmar a habilidade técnica do cineasta.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM