Jornal do Commercio
Carnaval

Família que batuca unida permanece unida

Pelo segundo ano, a prévia dos Sete Queiroga

Publicado em 06/02/2013, às 06h00

José Teles

Os Queiroga são uma família desunida. Por conta dos compromissos. Raramente os sete filhos do cantor, compositor Luiz Queiroga e da cantora Mêves Gama, conseguem se reunir. Desde o ano passado, no entanto, os Queiroga deram um jeito, e repetem a dose amanhã, na Usina Dois Irmãos, em Apipucos: “Todo mundo trabalha com música, e no Carnaval está todo mundo ocupado. A gente costumava se reunir antes do carnaval, para cantar, fazer uma batucada. Um amigo nosso batizou de Queirogada. Acontece que a reunião foi virando festa, com cada vez mais gente. No ano passado fizemos a primeira no Vapor 48”, explica Nena Queiroga.
Lula, Mevinha, Flávio, Luciano, Nena, Neno e Tostão, foram os 7 Queiroga. Canta, tocam, compoem, pintam e bordam. Tudo começou com Luiz Queiroga e Mêves Gama. Na casa dos dois, era música, exclusivamente música, sem anúncio por intervalo: “Papai acordava a gente com música, chorinho, frevo-de-rua. Ele, apesar de muito ocupado, era também muito presente. A gente cantava, tocava com Lula”, lembra Nena, que estava com dez quando Luiz Queiroga morreu (precocemente, aos 48 anos, em 1978). Lula Queiroga complementa: “papai deixava que a gente fizesse barulho à vontade, batucada. A gente morava no Rio, tinha escola de samba por perto. Mamãe as vezes reclamava, mas ele incentivava”.
A mãe, Mêves Gama foi uma das mais destacadas cantoras dos anos 60, em Pernambuco. Gravou alguns clássicos do Carnaval pernabucano. Entre outros: Segue seu homem (Capiba) e Tá faltando alguém (Zé Menezes) e Eu quero mais (Dozinho). Luiz Queiroga foi o que hoje se chama multímidia. Autor de textos para alguns dos maiores humoristas do Brasil, em Pernambuco e no Rio. Escreveu todos (sic), textos do lendário humorista Coroné Ludugero (é também autor da grande parte dos sucessos musicais do humorista). Foi radialista, jornalista, e como compositor é autor (com Onildo Almeida), de A hora de adeus, de Luiz Gonzaga.
Lula Queiroga faz um apelo: “Não confudam Os Queiroga com o Quanta Ladeira. Tem gente pensando que a festa de quinta será a do Quanto Ladeira, que este ano, por sinal será grandiosa. mas não tem a ver uma coisa com a outra”. A confusão, talvez, porque integrantes do bloco anárquico desarmonioso Quanta Ladeira prometem dar canja, sem ser convidados, na festa dos Queirogas. As duas entidades comungam entre si além de componentes, da direção musical sem direção: “Não vai ter músicas de Lula, o que algum da gente gravou. Vamos cantar samba, desde o das escolas ao samba de salão, tudo música conhecida. A abertura pode ser uma coisa assim que ninguém espera, quem sabe o Bolero, de Ravel, em ritmo de samba? comenta Nena Queiroga. Além dos irmãos, a notiada deve ter participação do duo Queirogada da Queirogada, ou seja, os irmãos Ylana e Youri Queiroga, filhos de Nena Queiroga.
Acerto de samba, com A Queirogada (e possíveis participações especiais), formada pelos irmãos Lula, Mevinha, Flávio, Luciano, Nena, Neno e Tostão Queiroga, mais os sobrinhos e filhos Ylana e Yuri Queiroga, na Usina Dois Irmãos ( Praça Farias Neves, S/N Apipucos), a partir das 21h, Ingressos: R$40. Outras informações: 8844.2715


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM