Jornal do Commercio
Nação Zumbi

Gilmar Bola Oito é sacado do Nação Zumbi e aciona banda

Membro-fundador ao lado de Chico Science, percussionista diz que não estava sendo convidado para shows e gravações do grupo

Publicado em 20/12/2015, às 06h00

Gilmar Bola Oito (sentado de chapéu, à direita) com a Nação Zumbi / Divulgação
Gilmar Bola Oito (sentado de chapéu, à direita) com a Nação Zumbi
Divulgação
José Teles

O show do Nação Zumbi em 15 de agosto, no Clube Português, lançando o último disco e celebrando os 20 anos do álbum da Afrocibederlia, pode ter sido o último com o percussionista Gilmar "Bola Oito" Correa, um dos fundadores do grupo. Os fãs da Nação Zumbi estranharam a sua ausência no Rock In Rio 2015, na participação que o grupo fez no show de Lenine, no palco Sunset. Ele costumava receber as passagens com dois dias de antecipação. "Na hora de dormir, a viagem seria na manhã seguinte, liguei para empresária, que me falou: Você não tá sabendo não? Houve uma reunião e lhe tiraram da banda. Ficou de alguém lhe falar, mas ninguém quis, eu estou lhe falando agora".

A confirmação de uma saída anunciada. No início de agosto passado, Gilmar revelou, em entrevista a Marcelo Pereira, editor do Caderno C deste Jornal do Commercio, que era o último a saber do que acontecia na banda e não estava sendo convidado para shows e gravações do grupo. O desabafo foi feito às vésperas de viajar para Nova Iorque, para a apresentação no festival Summer Stage, Nova York, onde, com Chico Science, a Nação Zumbi fez sua estreia internacional, 20 anos atrás. A repercussão entre os fãs foi grande e, como era de se esperar, explodiu forte dentro das hostes do Nação Zumbi:

"Ana Almeida, a empresária da banda, pagou dez minutos de esporros em mim. Eu falei que ali estava acontecendo uma inversão de valores: 'Você trabalhava pra mim, sou um dos donos da banda'. Ela disse que eu lavei roupa suja em público, porque fui falar que a banda estava rachada. Disse que no grupo as coisas aconteciam sem eu saber, ninguém me procurava pra dizer nada, que parecia uma estratégia. E ela, aos gritos comigo em uma calçada em Nova Iorque, não dava para acreditar. Uma das primeiras coisas que fez, logo depois, foi me tirar do WhatsApp da banda", conta o percussionista.



Ela disse que eu lavei roupa suja em público porque fui falar que a banda estava rachada.

Gilmar sempre se considerou um dos sócios da banda. No começo dos anos 1990, conheceu Chico Science, seu colega de trabalho, na Emprel, empresa de processamento de dados municipal. Contou ao colega que tocava com um grupo de samba reggae, o Lamento Negro, de Peixinhos, em Olinda: "Chico perguntou o que era samba reggae, expliquei: 'o dumdudum era o baixo, e aquelas batidas, thcatchatcha, era a guitarra'. Ele disse que queria ver", lembra o percussionista. Chico Science foi ao ensaio do Lamento Negro, no Daruê Malungo, uma ONG, dirigida por Mestre Lua, em Chão de Estrelas: "Quando viu, ele pirou. É isso que eu quero fazer, me disse", continua Gilmar. Passaram a fazer shows juntos, o Lamento Negro fundiu-­se com a Loustal (formada por Chico Science, Lúcio Maia e Dengue) e daí surgiu o Nação Zumbi, banda que no lugar da bateria empregava inusitadas alfaias, tambores de maracatu.


Gilmar Bola Oito (à esquerda) com os músicos do seu projeto Combo X
Divulgação

No entanto, pelo que revela Gilmar, não chegou a ser uma fusão, mas coexistência, com dois pesos e duas medidas: "Os quatro (Jorge du Peixe, Lúcio Maia, Pupillo e Dengue) ganham 20 por cento cada, e eu ganho 10 dez por cento. O tratamento comigo é outro. Tenho que dividir o quarto com fulaninho ou sicraninho, enquanto eles, cada um tem um quarto", queixa­-se. Ele decidiu procurar o JC e tornar pública sua situação na Nação Zumbi, e contratou um advogado para resolver a separação nada.

Os músicos da Nação Zumbi foram procurados pelo Caderno C, mas nenhum se pronunciou sobre a exclusão de um dos seus fundadores. "É um assunto ainda não resolvido e muito particular para se dar entrevista", desculpou­-se Ana Almeida, empresária da banda, contactada pelo Facebook. 

Leia matéria na íntegra na edição impressa do Jornal do Commercio deste domingo (20).





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM