Jornal do Commercio
HQ

Quadrinhos eróticos de Paulo Leminski e Alice Ruiz saem em volume único

Edição reúne 24 narrativas, publicadas anteriormente de forma separada

Publicado em 26/12/2015, às 08h24

HQ com roteiro de Alice Ruiz / Veneta/Divulgação
HQ com roteiro de Alice Ruiz
Veneta/Divulgação
Diogo Duarte

 

Uma das partes menos conhecidas da obra de dois grandes poetas brasileiros, Paulo Leminski e Alice Ruiz, é a experiência como roteiristas de histórias em quadrinhos. Na efervescência cultural da Curitiba dos anos 1970, os dois colaboravam constantemente para as publicações da editora Grafipar, que se tornaria uma referência para as HQs da época. Os dois costumavam, no começo, a escrever textos ou, no caso de Alice Ruiz, fazer a análise astrológica para as revistas da empresa, até que, através de conversas com Cláudio Seto, coordenador da parte de quadrinhos do local, começaram a conceber roteiros.

Nunca antes reunidos em um só volume, essas histórias foram reunidas neste ano no volume Afrodite – Quadrinhos Eróticos, em um edição organizada por Worney Almeida de Souza para a Veneta. São 24 narrativas, ilustradas por vários artistas, que exploraram vários gêneros: do terror à mitologia, do fantástico ao humor. 

Apesar do que o título da coletânea sugere, não são histórias eróticas de fato que compõem o volume. A liberdade de trazer nudez e sexo está em boa parte delas, mas são elementos que servem apenas como pretexto – usado, sem dúvida, com certa ironia por Paulo e Alice – para tentar capturar o leitor. “Fosse qual fosse o assunto, o gancho de tudo era o sexo. Afinal, a editora tinha que sobreviver”, conta a poeta no prefácio.



A Grapibar, como conta Alice no prefácio do volume, tinha uma revista séria, a Atenção, e várias publicações menores, a maioria com alguma temática sexual. Era o caso da Eros, voltada para homens, que logo gerou uma antagonista fiel: a Rose, que se intitulava a “revista que tira a roupa dos homens e informa as mulheres”. A partir delas, Alice criou também a Horóscopo de Rose, que trazia temas astrológicos.

A coletânea mostra trabalhos que, apesar de alguma criatividade, obedecem com poucas mudanças a um formato comercial – os desenhos também são relativamente convencionais. O principal valor dele é a trangressão dos temas, especialmente a partir do feminismo, que aparece até no meio das histórias de horror. A primeira história de Alice, uma das melhores do volume, surgiu para se contrapor ao discurso de um dos grandes autores curitibanos, Dalton Trevisan. 

Se há pouca poesia nos roteiros dos dois, há uma prova de que ambos foram artistas que não hesitaram na hora de usar as muitas linguagens possíveis





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM