Jornal do Commercio
Música

Então é Natal, com Simone, conheça as histórias da canção

Versão de uma música de John Lennon, o original é do século 18

Publicado em 02/01/2016, às 06h00

John & Yoko, em foto de lançamento de Happy Xmas (War Is Over) / foto: divulgação
John & Yoko, em foto de lançamento de Happy Xmas (War Is Over)
foto: divulgação
José Teles

Deu graças pelo fato de o período de festas ter acabado, pois não aguentava mais escutar Então É Natal, com Simone? Pois saiba que John Lennon, autor da versão original, Happy Christmas (The War Is Over), compôs sua canção natalina porque também não aguentava mais escutar, White Christmas, do russo/americano Irving Berlin durante dezembro inteiro, e todos os anos. Isto é, a vida inteira. Irving Berlin escreveu White Christmas no ano em que John Lennon nasceu, 1940.

A rejeição que a música provoca em boa parte dos que escutam Então É Natal é curiosa, porque a letra da versão é praticamente igual ao original de Lennon, que começa com um "And so this is Christmas/and what have you done?", literalmente, "Então é Natal/o que você fez?". O autor é Cláudio Rabello, um nome que assina músicas mais tocadas do que Então É Natal. Ele é coautor de sucessos que povoaram as programações das rádios nos anos 1970, começo dos 1980, e são as preferidas de FMs até hoje. Alguma de suas parcerias: Muito Estranho, Anjo, Espelho dÁgua, Doce Mel (todas estas com Dalto). E ainda Sonhos de Ícaro (com Piska) na voz de Biafra. Por fim, mas não menos importante, O Amor e o Poder, o clássico de Rosana (versão de Power of Love, de Gunther Mend/Candy De Rouge/Jennifer Rush/Mary Susan Applegate).

John Lennon compôs Happy Christmas (War is Over), em 1971, num hotel onde morava com Yoko Ono, em Nova Iorque. Na época ele se arvorava a repórter musical, espécie de cordelista pop. Fazia canções e corria pro estúdio pra gravar. Fez isto com The Ballad of John an Yoko (ainda nos Beatles), com Instant Karma. Almejava ser aquele cara que chega ao palco de diz: "Vou cantar um folclore de minha autoria". Acabou chegando a isso, com Give Peace a Chance e Imagine, que são hoje praticamente de domínio público e, claro, com sua canção de Natal. Música na qual, assim como Cláudio Rabello, tem dele só a letra.



A melodia é de uma antiga canção folk irlandesa, cujo registro mais antigo é de 1784. Imigrantes a trouxeram para terras americanas, onde começa a ser popularizada em 1829, adaptando­se e entrando para o repertório da música folk americana. Foi gravada por Leadbelly, no estilo chamada e resposta das canções de trabalho. Depois por nomes feito Woody Guthrie e The Weavers. É provável que John Lennon a tenha ouvido a primeira vez com Lonnie Donegan, o rei do Skiffle, estilo folk pop inglês, copiado pelos Beatles quando ainda se chamavam The Quarrymen. Donegan a gravou nos anos 1950. Em 1963, foi um hit com o trio Peter, Paul e Mary, depois seria gravada por Joan Baez.

Portanto, quando John Lennon gravou Happy Christmas (War Is Over), deu uma de Donga: música, feito passarinho, é de quem pegar. Neste ínterim, a canção já estava com autores certos e sabidos (John Herald, Ralph C. Rinzler, Robert Yellin). Seria então plágio, mas nunca ninguém se pronunciou sobre isto, o que é estranho.

(leia matéria na íntegra na edição impressa do Jornal do Commercio)





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM