Jornal do Commercio
DEBATE

Revolução de 1817, uma história ainda pouco ensinada

Na historiografia e nas escolas, a presença da Revolução de 1817 ainda é discreta

Publicado em 11/03/2017, às 06h57

Imagens da Aula ao Ar Livre de História, que vai abordar a Revolução de 1817 / Tato Rocha/JC Imagem
Imagens da Aula ao Ar Livre de História, que vai abordar a Revolução de 1817
Tato Rocha/JC Imagem
Diogo Guedes

A maioria dos estudantes sabe, sem muito titubear, dizer quem foi Tiradentes, o mártir da Inconfidência Mineira. A conspiração que tentava contestar a Coroa Portuguesa nunca saiu do campo dos planos, mas ainda assim se tornou o símbolo da luta pela independência do Brasil. Ao mesmo tempo, poucos sabem dizer um nome que seja que esteve entre os líderes da Revolução de 1817: Domingos José Martins, Padre João Ribeiro, Padre Roma, Bárbara de Alencar ou Cruz Cabugá não significam quase nada para eles, ainda que tenham conseguido tomar o poder e estabelecer, antes de todos, a independência e a até mesmo a República no Brasil por mais de dois meses.

A Revolução de 1817 é fato essencial para se entender a contestação da colônia ante à Coroa. Ainda assim, é um assunto que parece menos vivo na memória – e talvez nas salas de aula – dos brasileiros. Para a historiadora Socorro Ferraz, o tema é de fato pouco abordado, sintoma da falta de ênfase ao estudo da disciplina no País. “A Revolução Pernambucana de 1817 é pouco estudada nas escolas, assim como outros fatos da história do Brasil, porque nunca se fez um estudo do papel da disciplina História e seus conteúdos na formação dos jovens brasileiros”, opina. “Seria interessante se a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco criasse algum mecanismo que pudesse avaliar o conhecimento da história do Brasil e a expectativa dos jovens em relação ao seu País.”

Com a consolidação do Enem, um teste nacional, nos últimos anos, assuntos vistos como “regionais” como Revolução de 1817 são menos cobrados no exame, como ressalta o professor de história Luiz Paulo Ferraz. No entanto, isso não significa que o movimento não seja abordado em sala de aula: continua parte do conteúdo programático e ainda é valorizado. “Com a instalação da Data Magna e o bicentenário agora, o interesse está maior. Alguns estudantes conhecem até o nome de personagens de 1817, isso me chama a atenção”, aponta Luiz Paulo. 

Com o também professor Rodrigo Bione, Luiz Paulo comanda neste sábado (11/3), das 8h às 10h30, no Parque 13 de Maio, uma aula pública sobre o movimento. É parte do projeto História ao Ar Livre, que acontece em vários pontos da cidade desde 2015. “É uma forma de ocupar a cidade com cultura, fazer com que as pessoas conheçam mais sobre a cidade. É uma aula diferente, com música, poesia. Os temas fogem do que abordamos em sala de aula: é uma conversa mais dinâmica”, descreve o professor.

 

Para incentivar o debate sobre 1817 nas escolas, o Governo do Estado anunciou que vai colocar a Revolução de 1817 como parte do conteúdo programático deste ano. Até 26 de maio, a Secretaria Estadual de Educação recebe redações de alunos de escolas estaduais com o tema da Revolução de 1817. Também vai vai veicular campanha educativa com vídeos feitos pelo grupo Mão Molenga Teatro de Bonecos como forma de popularizar com o público a Revolução de 1817. Na segunda, a Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco inaugura uma exposição com documentos sobre o movimento.



PERSEGUIÇÃO

A pouca difusão – ainda mais grave fora de Pernambuco – da Revolução de 1817 não foi algo casual. A Coroa Portuguesa mandou apagar e destruir documentos da época, pois tinha medo de despertar o desejo pela independência. Durante o período monárquico, o movimento foi relegado para ocultar as suas aspirações republicanas. Quando a república chegou de fato, em 1889, a historiografia oficial brasileira já tinha escolhido Tiradentes como herói e seguiu privilegiando os eventos do centro econômico do País.

“A manutenção da integridade territorial era considerada a maior de todas as conquistas da América Portuguesa. Para a elite da época, a hipótese de uma divisão ou separação do território era impensável. Por essa razão, a revolta pernambucana tinha de ser rapidamente jogada no esquecimento. O quanto menos estudada fosse, especialmente em salas de aulas, melhor”, comenta o jornalista Laurentino Gomes, autor de obras históricas como 1808, 1822 e 1889. “E foi o que aconteceu nos dois séculos seguintes, ou seja, um esforço deliberado para esconder o que, na época, era considerado um mal exemplo para as demais províncias.”

 

Para a escritora, psiquiatra e pesquisadora Maria Cristina Cavalcanti, autora do livro Olhos Negros, é triste que ninguém saiba quem é o Padre João Ribeiro, por exemplo, o líder intelectual da 1817. “Para Pernambuco, o único herói de uma revolução é Frei Caneca. Por que um é conhecido e o outro não? Porque com Frei Caneca já havia a imprensa para divulgar ideias. Foi a Revolução de 1817 que ajudou a contribuir para isso, ela é, de certa forma, a mãe da imprensa livre brasileira”, destaca a autora.

ESQUECIMENTO

Para o historiador e cientista político Vamireh Chacon, vencedor do Prêmio Machado de Assis pelo conjunto da obra, 1817 é pouco estudado, mas o problema é mais amplo. “Não sou saudosista, mas os brasileiros estão se esquecendo do Brasil. Até Minas Gerais conhece pouco a sua Inconfidência, hoje em dia”, dispara. Segundo ele, a Revolução Pernambucana é essencial porque seu pleitos são atuais – ainda mais quando os rumos do País estão em debate. “1817 é hoje. A Independência ainda é hoje, a República ainda é hoje, e o federalismo da Confederação do Equador ainda é hoje”, vaticina.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM