Jornal do Commercio
RIO DE JANEIRO

Instalação no MAM presta homenagem ao Museu Nacional

Obra relembra acervo perdido enquanto visitante ''anda'' sobre cinzas

Publicado em 14/09/2018, às 02h03

Ideia nasceu da comoção provocada pelo incêndio que destruiu o Museu Nacional / Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Ideia nasceu da comoção provocada pelo incêndio que destruiu o Museu Nacional
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
ABr

Uma instalação montada nos pilotis do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM) faz, a partir desta quinta-feira (13), homenagem ao Museu Nacional, dentro da 11ª edição da Exposição Rio+Design, atração da Semana Design Rio, que se estenderá até domingo (16).

Foto: Agência Brasil

A ideia nasceu da comoção provocada pelo incêndio que destruiu o Museu Nacional, no último dia 2, deixando pesquisadores e visitantes órfãos de um acervo de 20 milhões de itens, oriundos do Brasil e de outros países. A homenagem foi realizada pela agência Crama Design Estratégico, em espaço de 25 metros quadrados cedido no MAM.

A advogada Bárbara Sczesny disse que a instalação permite aos visitantes relembrar o Museu Nacional, ao mesmo tempo que faz uma crítica à falta de investimentos na preservação da cultura brasileira. “Estou arrepiada, porque, quando eu andei... virgem, está em chamas! E eu me emocionei, mesmo sendo uma imagem do que aconteceu. Realmente é uma bela homenagem e uma crítica também”, manifestou Bárbara.

Andando sobre cinzas

A instalação dá ao público a sensação de “andar sobre cinzas” ao se aproximar ou afastar de uma grande fotografia do Museu Nacional colocada no fundo do espaço, com efeito tridimensional. Painéis flutuantes retratam as obras do acervo do MN que foram perdidas, por meio de fotos postadas nas redes sociais por pessoas que documentaram as visitas feitas ao museu em diversas fases da vida, disse à Agência Brasil o CEO e diretor da Crama, Ricardo Leite.

Foto: Agência Brasil

Os painéis trazem o nome de quem enviou as fotos e frases de escritores e pensadores sobre a importância da arte e da cultura. O projeto foi desenvolvido a partir do conceito de colocar as pessoas visitando o Museu Nacional “das cinzas à reconstrução coletiva”, informou Leite.



Na instalação, destaque para a mensagem que diz: “A cultura não é nossa. Ela está em nós. É um tesouro que não se perde nunca, que fica para sempre na gente”. O objetivo é passar à população uma mensagem otimista, apesar da destruição do acervo do Museu Nacional, dizendo que o patrimônio que estava ali, por mais que ele tenha sido perdido fisicamente, “vai permanecer em nós”, salientou Ricardo Leite.

A mensagem destaca que, a partir da dor da perda das valiosas obras do Museu Nacional, é possível despertar na população a importância da preservação da nossa história, cultura e arte. “Queremos ajudar a renascer o encantamento, a beleza de se descobrir o mundo quando estamos dentro de um museu”.

Leite lembrou que o próprio MAM foi alvo de um incêndio há 40 anos (julho de 1978), em que se perdeu grande parte do seu acervo. “Havia um simbolismo muito grande. Nós estávamos dentro do MAM, tinha um espaço de 25 metros quadrados para expor o que a gente quisesse e decidimos prestar homenagem ao Museu Nacional. É uma oportunidade de levar o público visitante leigo a ter contato com a produção museológica do Rio de Janeiro”, disse Leite.

Aprendizado

Para Sara Lustosa, farmacêutica de formação e escritora, mesmo em cinzas, o Museu Nacional não morreu. “Ele continua vivo. O físico dele morreu, mas o que ele deixou, o que se aprendeu dele não morre. Por isso, a gente tem que manter a cultura viva e perpetuar”. Sara lamentou que, além do acervo destruído, o trabalho de anos desenvolvido pelos pesquisadores tenha sido também perdido.

Foto: Agência Brasil

A psicóloga Sílvia Barbosa concorda com a mensagem transmitida na instalação: “É perfeita”, exclama. Segundo Sílvia, o incêndio do Museu Nacional despertou o desejo, em muita gente, de visitar outros museus. “É não perder mais tempo para ver, para mostrar para as crianças, porque isso não vai se perder nunca se a gente ver, se viver isso”.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM