Jornal do Commercio
INCÊNDIOS

Veja a relação dos tesouros do patrimônio mundial que queimaram

Na lista aparece o Museu Nacional do Rio de Janeiro, que foi atingido por um incêndio no dia 2 de setembro de 2018

Publicado em 15/04/2019, às 20h47

O antigo palácio imperial, no Rio de Janeiro, era considerado o maior museu de história natural e antropológica da América Latina  / Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
O antigo palácio imperial, no Rio de Janeiro, era considerado o maior museu de história natural e antropológica da América Latina
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
AFP

O incêndio da catedral de Notre-Dame, em Paris, na França, nesta segunda-feira (15), infelizmente, não foi o primeiro de grandes proporções em monumentos e tesouros do patrimônio mundial. No ano passado, por exemplo, vimos, atônitos, o Museu Nacional do Rio de Janeiro, no Brasil, ser reduzido a cinzas após um incêndio. Veja abaixo a relação de alguns lugares que também foram devorados pelas chamas.

Museu Nacional do Rio de Janeiro 

Na noite do dia 2 de setembro de 2018, o Museu Nacional do Rio de Janeiro foi reduzido a cinzas por um incêndio causado por um curto-circuito em um aparelho de ar-condicionado. Era considerado o maior museu de história natural e antropológica da América Latina, com mais de 20 milhões de peças.

O antigo palácio imperial abrigava, por exemplo, um esqueleto de dinossauro descoberto em Minas Gerais e numerosos exemplares de outras espécies extintas, como preguiças gigantes e tigres de dentes de sabre.

O Santo Sudário salvo das chamas 

Em 1997, a catedral San Juan Bautista e o Palácio Real de Turim, no noroeste da Itália, foram devastados por um incêndio. Um bombeiro conseguiu salvar o Santo Sudário, uma das relíquias mais veneradas pelos católicos, ao quebrar com um martelo o vidro à prova de balas que o protegia. 

Ópera de Veneza 

Em 1996, a ópera de Veneza ficou quase totalmente destruída por um incêndio. Este teatro, inaugurado em 1792, era um dos mais prestigiosos do mundo. Dois eletricistas foram condenados a seis e sete anos de prisão, acusados de atear o fogo para encobrir atrasos em sua obra. O local foi reaberto em  2004.



Liceu de Barcelona 

Em 1994, o Liceu de Barcelona, o teatro lírico mais famoso da Espanha, com quase 150 anos, situado no centro da cidade, foi destruído por um incêndio provocado por uma fagulha de um maçarico. Foi reconstruído.

Castelo de Windsor 

No dia 20 de novembro de 1992, toda a parte nordeste do Castelo de Windsor, residencia real a oeste de Londres, foi destruída por um incêndio, que quase atingiu os apartamentos privados da rainha. Começou pela capela, onde um spot de luz incendiou uma cortina.

Após cinco anos de obras de restauração, o castelo reabriu ao público em 1997.

Biblioteca de Sarajevo

Em meio à guerra que sacudiu a Bósnia entre 1992 e 1995, no dia 25 de agosto de 1992, a partir das montanhas que dominam a cidade, tropas sérvias incendiaram a biblioteca nacional da Bósnia, prédio  construído em 1896. Só se salvaram das chamas cerca de 300 mil livros, das mais de dois milhões de obras, algumas muito raras.

A nova biblioteca - em parte financiada pela União Europeia - foi inaugurada em 2014. 

O Grande Teatro de Genebra

Em 1951, um incêndio destruiu o Grande Teatro de Genebra, construído no século XIX. Um teste de fogos de artifício para uma reapresentação das Valquírias, de Richard Wagner, desencadeou o sinistro. Foi reaberto em 1962, após 11 anos de obras.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM