Jornal do Commercio
Notícia
Queda

Após fala semelhante a de ministro de Hitler, Bolsonaro demite secretário de Cultura

Vídeo em que utiliza frase do ministro nazista Joseph Goebbels gerou crise

Publicado em 17/01/2020, às 11h55

Além do discurso, símbolos do vídeo foram associados à estética de ícone do nazismo / Reprodução
Além do discurso, símbolos do vídeo foram associados à estética de ícone do nazismo
Reprodução
JC Online e Agência Estado

atualizada às 13h16

O secretário de Cultura, Roberto Alvim, foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no início da tarde sexta sexta-feira (17). O estopim para a saída do diretor teatral foi a publicação de um vídeo para anunciar o Prêmio Nacional das Artes, na última quinta-feira (16), em que utiliza frases do ministro nazista Joseph Goebbels, além de símbolos como uma ópera de Wagner, compositor que era ídolo de Hitler.

Após a repercussão negativa,  o secretário colocou seu cargo à disposição presidente Jair Bolsonaro, "com o objetivo de protegê-lo".

Ainda de acordo com a publicação, líderes do Governo já teriam sido informados sobre a saída de Alvim. No entanto, até a publicação desta matéria, a última palavra oficial do Palácio do Planalto foi de que não se pronunciaria, pois o secretário ""já se manifestou oficialmente".

REPERCUSSÃO

O vídeo causou revolta na internet, inclusive entre apoiadores de Jair Bolsonaro, como Olavo de Carvalho e o cineasta Josias Teófilo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pelo Twitter, pediu a demissão do secretário especial de Cultura, Roberto Alvim. "O secretário da=Cultura passou de todos os limites. ê inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo", escreveu Maia. 

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, afirmou nesta sexta-feira, 17, que os "setores do governo testam há meses os limites democráticos", "flertam com as ditaduras de hoje e do passado", e que o secretário de Cultura, Roberto Alvim "ultrapassou todos os limites ao optar pela clara e aberta apologia ideológica do regime nazista".



DEFESA

Pelo Facebook, o secretário afirmou que é "foi apenas uma frase do meu discurso a qual havia uma coincidência retórica" e que "não o citei (Goebbels) e jamais o faria". Apesar da declaração, Alvim ressalva: "Mas a frase em si é perfeita: heroísmo e aspirações do povo é o que queremos ver na Arte nacional".

Alvim reforçou que conversou com o presidente Jair Bolsonaro nesta manhã e que ele "entendeu que não houve má intencionalidade" de sua parte ao usar discurso quase idêntico ao do ideólogo nazista Joseph Goebbels. Antes, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Alvim já havia declarado que o presidente lhe garantiu que não será demitido. O Palácio do Planalto afirmou oficialmente que não comentará o caso.

Em entrevista à Rádio Gaúcha pela manhã, Alvim disse que houve "infeliz coincidência" com frase de Goebbels. Inicialmente, o secretário afirmou que não poderia pedir desculpas pelo episódio porque alega não ter copiado os trechos de Goebbels de forma proposital. De acordo com ele, algum assessor teria colocado a frase em sua mesa sem identificar a fonte com base em uma busca sobre nacionalismo e arte na internet.

Ele disse, ainda, que investigará quem sugeriu a frase e por quê "Essa casca de banana que foi plantada será aferida. Não conhecia a origem disso", afirmou. "Evidentemente que eu não sabia (que a frase reproduzida era de Goebbels), se soubesse não usaria."

Depois, ao final, foi indagado sobre a indignação da comunidade judaica e acabou pedindo desculpas se alguém se sentiu ofendido pela referência indireta ao ideólogo nazista. Diante da reação negativa até mesmo de bolsonaristas, Alvim afirmou que o que mais o entristeceu foi a reação de Olavo de Carvalho, que disse que ele não parecia "estar bem da cabeça". "Vou provar ao professor Olavo, que é o meu mestre, que estou são, estou perfeito."




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM