Jornal do Commercio
Educação

Minha mãe me deu cigarro com 8 anos', relembra Tonico Pereira

Em entrevista no Encontro com Fátima Bernardes, o ator Tonico Pereira relembrou sua infância e disse que não aplicaria a mesma educação em seus filhos

Publicado em 12/07/2018, às 08h28

Tonico Pereira fala sobre infância no 'Encontro com Fátima Bernardes' / Foto: TV Globo/Reprodução
Tonico Pereira fala sobre infância no 'Encontro com Fátima Bernardes'
Foto: TV Globo/Reprodução
Estadão Conteúdo

Durante conversa sobre a criação de filhos no Encontro com Fátima Bernardes, o ator Tonico Pereira afirmou que não aplicaria em seus filhos o mesmo tipo de criação que sua mãe fez com ele.

Perguntado pela apresentadora sobre o que mudaria, respondeu: "Quase tudo. Acho que tem uma evolução, a gente tá aí num mundo contemporâneo que não é igual. Minha mãe me acobertava em coisas que seriam..."



"Minha mãe me deu cigarro com oito anos de idade. Eu trocava cigarro por tarefas domésticas, por exemplo", revelou.

Arrependimentos

Em seguida, concluiu: "Não é que eu ache isso moralisticamente mal, não. Mas tem defeitos. É a mesma coisa que a pessoa dizer que não se arrepende de nada. Nada mais burro do que não se arrepender de nada."

Tonico é pai de Thaia e Daniela, filhas que teve na década de 1970, além dos gêmeos Antônio e Nina, nascidos quando já tinha 57 anos de idade.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM