Jornal do Commercio
Casa Branca

Trump e Kanye West protagonizam encontro inusitado na Casa Branca

Astro do rap é um mais fervorosos partidários de Donald Trump

Publicado em 12/10/2018, às 09h05

Entre os temas, eles falaram sobre atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana / Foto: AFP
Entre os temas, eles falaram sobre atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana
Foto: AFP
AFP

A cena é singular, para dizer o mínimo: o rapper Kanye West monopolizando a conversa por 10 minutos e com seu celular em cima da mesa do presidente dos Estados Unidos para falar sobre os seus atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana. 

Donald Trump decidiu receber nesta quinta-feira (11) na Casa Branca o astro do rap, um dos seus partidários mais fervorosos, uma evidência - segundo o presidente - de sua popularidade entre o eleitorado negro. 

Diante da imprensa e acompanhado pelo ex-jogador de futebol americano Jim Brown, "Ye", como quer ser chamado agora, foi ao Salão Oval com seu famoso boné vermelho com o slogan de campanha de Trump: "Tornar a América grande de novo".

"Acontece alguma coisa quando coloco esse boné, me sinto como o Super-Homem, é o meu super-herói favorito", afirmou Kanye West. 

Depois disse que "admira" o presidente americano e o setor industrial, "sem políticas nem besteiras", continuou. 

Usando uma linguagem inadequada para a solenidade do lugar, assegurou ter tido "culhão" para usar o boné.

Depois explicou, em nome do protecionismo econômico proclamado por Trump, que pediu à empresa de colchões Casper para realocar seus locais de produção em território americano.



Em um turbilhão de palavras, também se abriu a conselhos sobre a bipolaridade que lhe foi diagnosticada, explicando que simplesmente tinha insônia.

Em seguida, desbloqueou o seu iPhone diante das câmeras revelando a sua senha, pouco criativa: 00000. 

No final do seu monólogo, durante o qual Trump simplesmente assistiu, os dois se abraçaram, antes de saírem para almoçar longe das câmeras. 

"Vou lhe dizer uma coisa: foi impressionante", comentou o bilionário republicano.

Kanye West começou a apoiar Trump depois da sua eleição, em novembro de 2016, inclusive fazendo uma visita à Trump Tower em Nova York. 

Desde então, Kanye aparece regularmente com o boné vermelho usado nesta quinta-feira e já declarou considerar o presidente um "irmão". 

'Subi 25% nas pesquisas"

"Quando Kanye revelou (a sua posição) há alguns meses, algo aconteceu, eu subi 25% nas pesquisas, nunca vi isso, é muito seguido na comunidade negra", assegurou Trump em uma entrevista essa manhã ao canal conservador Fox News. 

"Tenho muito apoio entre os afro-americanos", assegurou. 





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM