Jornal do Commercio
Casa Branca

Trump e Kanye West protagonizam encontro inusitado na Casa Branca

Astro do rap é um mais fervorosos partidários de Donald Trump

Publicado em 12/10/2018, às 09h05

Entre os temas, eles falaram sobre atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana / Foto: AFP
Entre os temas, eles falaram sobre atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana
Foto: AFP
AFP

A cena é singular, para dizer o mínimo: o rapper Kanye West monopolizando a conversa por 10 minutos e com seu celular em cima da mesa do presidente dos Estados Unidos para falar sobre os seus atributos masculinos, transtornos mentais e a violência urbana. 

Donald Trump decidiu receber nesta quinta-feira (11) na Casa Branca o astro do rap, um dos seus partidários mais fervorosos, uma evidência - segundo o presidente - de sua popularidade entre o eleitorado negro. 

Diante da imprensa e acompanhado pelo ex-jogador de futebol americano Jim Brown, "Ye", como quer ser chamado agora, foi ao Salão Oval com seu famoso boné vermelho com o slogan de campanha de Trump: "Tornar a América grande de novo".

"Acontece alguma coisa quando coloco esse boné, me sinto como o Super-Homem, é o meu super-herói favorito", afirmou Kanye West. 

Depois disse que "admira" o presidente americano e o setor industrial, "sem políticas nem besteiras", continuou. 

Usando uma linguagem inadequada para a solenidade do lugar, assegurou ter tido "culhão" para usar o boné.

Depois explicou, em nome do protecionismo econômico proclamado por Trump, que pediu à empresa de colchões Casper para realocar seus locais de produção em território americano.



Em um turbilhão de palavras, também se abriu a conselhos sobre a bipolaridade que lhe foi diagnosticada, explicando que simplesmente tinha insônia.

Em seguida, desbloqueou o seu iPhone diante das câmeras revelando a sua senha, pouco criativa: 00000. 

No final do seu monólogo, durante o qual Trump simplesmente assistiu, os dois se abraçaram, antes de saírem para almoçar longe das câmeras. 

"Vou lhe dizer uma coisa: foi impressionante", comentou o bilionário republicano.

Kanye West começou a apoiar Trump depois da sua eleição, em novembro de 2016, inclusive fazendo uma visita à Trump Tower em Nova York. 

Desde então, Kanye aparece regularmente com o boné vermelho usado nesta quinta-feira e já declarou considerar o presidente um "irmão". 

'Subi 25% nas pesquisas"

"Quando Kanye revelou (a sua posição) há alguns meses, algo aconteceu, eu subi 25% nas pesquisas, nunca vi isso, é muito seguido na comunidade negra", assegurou Trump em uma entrevista essa manhã ao canal conservador Fox News. 

"Tenho muito apoio entre os afro-americanos", assegurou. 


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM