Jornal do Commercio
COMÉRCIO

China promete represálias caso EUA adote novas tarifas

A China prometeu adotar represálias comerciais contra os Estados Unidos caso Washington cumpra novas ameaças de taxar bens exportados pela Chinas

Publicado em 11/07/2018, às 03h04

Nota da China avalia que o comportamento
Nota da China avalia que o comportamento "irracional" dos Estados Unidos prejudica "a China, o mundo e a eles mesmos".
Foto: SAUL LOEB / AFP
AFP

A China prometeu nesta quarta-feira (11) adotar represálias comerciais contra os Estados Unidos caso Washington cumpra com suas novas ameaças de taxar bens exportados pela China totalizando 200 bilhões de dólares.

"O governo chinês, como sempre, não terá outra opção que adotar as medidas necessárias", informou o ministério do Comércio em um comunicado, no qual qualificou as novas ameaças dos EUA de "totalmente inaceitáveis".

"A fim de salvaguardar os interesses fundamentais do país e do povo, o governo chinês deverá, como já fez no passado, adotar as medidas necessárias".

A nota avalia que o comportamento "irracional" dos Estados Unidos prejudica "a China, o mundo e a eles mesmos".

"Paralelamente, apelamos à comunidade internacional para que trabalhe em conjunto para salvaguardar as regras do livre comércio e o sistema comercial multilateral, e se opor à hegemonia comercial".

Pequim anunciou ainda a apresentação "imediata" de uma ação adicional contra os Estados Unidos junto à Organização Mundial do Comércio.



Mais cedo, o vice-ministro chinês do Comércio, Li Chenggang, advertiu que "as elevações mútuas de tarifas em grande escala entre China e Estados Unidos conduzirão, inevitavelmente, à destruição do comércio sino-americano".

A política americana "atualmente interfere com o processo de globalização econômica" e "prejudica a ordem econômica mundial", disse Li.

"Este é um momento caótico para o comércio internacional (...). Empresas dos dois países sofrerão perdas. Não há vencedor em uma guerra comercial. A cooperação é a única escolha correta para China e Estados Unidos", declarou Li.

Tarifas

Na sexta-feira, os Estados Unidos impuseram tarifas de 25% sobre bens chineses totalizando 34 bilhões de dólares, o que gerou a imediata reação de Pequim, com a adoção de impostos proporcionais sobre centenas de produtos americanos.

Nesta terça-feira, Washington anunciou que iniciava o processo para impor tarifas aduaneiras de 10% sobre produtos chineses totalizando 200 bilhões de dólares a partir de setembro.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar
BRT: E agora? BRT: E agora?
Ele está ferido, sofrido. Esquecido. E sem perspectivas de melhoria. Tem sobrevivido como é possível e, apenas pontualmente, esboça reações positivas. O sistema BRT, Bus Rapid Transit, tem sofrido de inanição em todo o País. E poderá se perder.
Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM