Jornal do Commercio
Comportamento

Crise eleva consumo de cachaça

Pesquisa mostra que quanto piores as expectativas da população, maior é o consumo da bebida

Publicado em 11/08/2016, às 08h24

Estudo do comportamento dos consumidores de cachaça foi realizado pelo PeopleScope / Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem
Estudo do comportamento dos consumidores de cachaça foi realizado pelo PeopleScope
Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem
Marina Padilha

À medida que a expectativa da população piora em relação ao cenário político-econômico, mais garrafas de cachaça são vendidas no Brasil. Essa é a conclusão de um estudo feito pela PeopleScope – maior base de dados comportamentais dos brasileiros, divulgada pelo Ibope DTM, unidade de Marketing e Relacionamento do Ibope Inteligência. O indicador foi divulgado nessa quarta-feira (10) e mostra que quanto mais baixo o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (Inec), mais crescem as vendas da tradicional bebida brasileira no varejo.

Batizado de ‘Índice da Cachaça’, a pesquisa mostra que, quanto mais pessimista é um grupo social, maior é sua afinidade para sair para beber e frequentar bares ou restaurantes. O que aconteceu nos últimos anos, no entanto, é que esses grupos deixaram de ir às ruas para beber em casa, o que aumentou as vendas da bebida alcoólica nos mercados.

Segundo a análise, quando o Inec, que é medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ficou 12,2% abaixo da média histórica, a venda das garrafas de cachaça em pelo menos três redes varejistas disparou e alcançou o maior número registrado desde janeiro de 2013.

“É um fenômeno parecido com o ‘Índice do Batom’, que aconteceu durante a recessão nos Estados Unidos, no início dos anos 2000. “Lá, as vendas do batom dispararam, pois em tempos de incerteza financeira, as consumidoras passaram a comprar produtos mais baratos, como os itens cosméticos, para que se sentissem mais atraentes. Aqui, percebemos que, mesmo valorizando a ida a bares e restaurantes, as pessoas passaram a beber mais em casa”, explica Bernardo Canedo, diretor do Ibope DTM.

Mas por que a cachaça? Porque, de fato, é a bebida que menos pesa no bolso do consumidor. Entre janeiro e março deste ano, por exemplo, o volume de cerveja comercializada pela Ambev no Brasil teve retração de 10%.



[VÍDEO] Museu traz parte da cultura do País nos rótulos das garrafas

Os números também são reforçados pelo Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), da Receita Federal, que apontou uma queda de 1,2% na produção de cerveja em junho deste ano em comparação com o mesmo mês de 2015. No total, foram produzidos 964,2 milhões de litros da bebida. Na comparação com maio deste ano, a queda foi ainda maior, de 4,2%.

Os fabricantes de cachaça, no entanto, não sentiram tanto o peso da crise. “Claro que nosso lucro não é como esperado e estamos mantendo as contas. Ninguém vai deixar de beber, mas as pessoas bebem aquilo que podem pagar. Como produzimos produtos de uma linha mais barata, não tivemos queda nas vendas”, conta Alexandre Ferrer, diretor comercial da Pitú.

A análise do Ibope DTM mostra ainda que, assim como frutas, legumes e verduras, as bebidas alcoólicas ainda tem lugar cativo na feira do mês e custaram mais ao consumidor em 2015 do que em 2014. Segundo Roque Pellizzaro, presidente do SPC Brasil, o aperto financeiro nos últimos anos obrigou o brasileiro a ajustar seus gastos, mas alguns itens ainda observam aumento, ajustado pela inflação no período.

Mercado

Segundo a Associação Brasileira de Bebidas (Abrab), a cachaça é o segundo tipo de bebida alcoólica mais consumida no País, perdendo apenas para a cerveja. Entre o segmento de destilados, ela é a campeã, concentrando 50% do consumo. No último levantamento realizado pela instituição, em 2013, foram produzidos 511,54 milhões de litros de cachaça. Naquele ano, no entanto, o ‘Índice da Cachaça’ variou pelo menos 20% abaixo do que vem sendo registrado em 2016.

[FOTOS] As 10 cervejas mais consumidas pelo brasileiro


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas



Comentários

Por viajante,11/08/2016

so de ler o titulo ja deu vontade de comprar uma latinha e pegar um cajuzinho pra passar o tempo



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM