Jornal do Commercio
pesquisa

Sem desalento, desemprego seria de 12,4%, afirma Ipea

O fenômeno consiste na desistência de pessoas de buscarem uma vaga por acreditarem que não conseguiriam emprego

Publicado em 20/12/2016, às 09h32

Taxa de desemprego no terceiro trimestre foi de 11,8%  / Foto: Camila Domingues/ Palácio Piratini
Taxa de desemprego no terceiro trimestre foi de 11,8%
Foto: Camila Domingues/ Palácio Piratini
Estadão Conteúdo

O aumento no desalento evitou que o mercado de trabalho apresentasse resultados ainda mais negativos, segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O fenômeno, que consiste na desistência de pessoas de buscarem uma vaga por acreditarem que não conseguiriam emprego, ajudou a reduzir a taxa de participação dos brasileiros no mercado de trabalho.

Caso contrário, a taxa de desemprego teria ficado em 12,4% no terceiro trimestre, em vez dos 11,8% registrados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Porcentual de pessoas em idade de trabalhar

A taxa de participação, que indica o porcentual de pessoas em idade de trabalhar que está de fato no mercado de trabalho, caiu de 61,6% no segundo trimestre para 61,2% no terceiro trimestre, indicando um aumento do desalento. Se a taxa de participação tivesse se mantido no mesmo nível de um ano antes, de 61,4% no terceiro trimestre de 2015, a taxa de desemprego seria de 12,4%, estimaram os pesquisadores Sandro Sacchet de Carvalho e José Ronaldo de Castro Souza Júnior, na Carta de Conjuntura do Ipea.

O estudo lembrou ainda que a taxa de desemprego vinha de certa forma sendo contida por causa da migração de trabalhadores demitidos do setor privado para o trabalho por conta própria. Mas a tendência já mostrou reversão no terceiro trimestre, quando houve redução de 1,069 milhão de pessoas nessa condição em relação ao segundo trimestre do ano.



"O trabalho por conta própria, que estava sendo uma alternativa de renda para esses trabalhadores, parece que já não está sustentando mais", disse Souza Júnior, coordenador do Grupo de Estudos de Conjuntura do Ipea.

Tendo esgotado as opções de trabalho, parte expressiva dessa população teria migrado para a inatividade. Na passagem do segundo trimestre para o terceiro trimestre do ano, 11,84% dos trabalhadores por conta própria migraram para a inatividade, informou o Ipea. 

"Não necessariamente todos que deixam o trabalho por conta própria o fazem por desalento. Eles deixaram de procurar emprego Mas obviamente que a gente imagina que boa parte dessas pessoas possa ser de desalentados", explicou Souza Júnior. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM