Jornal do Commercio
CONSTRUÇÃO

Minha Casa Minha Vida se aproxima da classe média

Programa habitacional amplia faixa de renda para financiamento para até R$ 9 mil

Publicado em 06/02/2017, às 22h01

A meta é que sejam liberadas contratações para a construção de 610 mil unidades habitacionais para todo o País / Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil
A meta é que sejam liberadas contratações para a construção de 610 mil unidades habitacionais para todo o País
Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil
LUIZA FREITAS

Após muita expectativa e especulações do setor, o Governo Federal divulgou nesta segunda-feira (6) o plano para 2017 do Minha Casa Minha Vida. Como já era previsto, o programa originalmente popular ficou mais próximo da classe média. Mas, diferentemente do que se esperava, não houve a criação de uma quarta faixa de beneficiários de acordo com a renda, mas sim o reajuste dos valores máximos partir da faixa 1,5. Com a mudança, pessoas que ganham até R$ 9 mil por mês podem ser contempladas. Antes esse valor era de R$ 6.500 (confira na arte ao lado). O limite máximo dos valores dos imóveis também foi ampliado: em Pernambuco passa a ser de R$ 190 mil.

A meta é que sejam liberadas contratações para a construção de 610 mil unidades habitacionais para todo o País, contra 380 mil feitas no ano passado. Esse aumento deve aumentar em R$ 8,5 bilhões os investimentos federais no programa. Desse número, 400 mil unidades serão das faixas 2 e 3. Na prática, a distribuição mostra o objetivo do governo em atender a classe média, que no momento atual do cenário econômico tem mais condições para investir na casa própria.

Segundo o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), boa parte do total de contratos deve ser destinada à região Nordeste. “Pela lei, essa distribuição se orienta pelo déficit habitacional de cada região e o Nordeste tem grande carência nesse sentido”, afirmou o ministro. Ele destacou ainda que a celeridade do setor local em apresentar projetos será determinante para que os impactos da ampliação do programa sejam sentidos o mais rápido possível.

Além dos valores, houve também reajustes nas condições oferecidas pela Caixa Econômica Federal (CEF), banco financiador do programa. Os subsídios oferecidos para as faixas 1,5 e 2 foram reajustadas em 6,67% (referente ao INCC), mas o prazo máximo para financiar permanece em 360 meses. A maior parte dos recursos oferecidos para viabilizar o programa vêm do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no qual estão aplicadas as contribuições de todos os trabalhadores. 

As taxas de juros também foram reajustadas, mas até a mais alta – de 9,16% ao ano para beneficiários com renda de até R$ 9 mil – permanece muito abaixo dos percentuais praticados pelos bancos para financiamentos imobiliários.



Durante uma reunião na última sexta-feira realizada no Recife com empresários do ramo da construção, o presidente da CEF, Gilberto Occhi, disse que, após a aprovação da ampliação do programa, realizada ontem, a oferta das novas condições de financiamento estaria disponível nas agências em cerca de uma semana. 

EMPREGOS

Para o Estado a ampliação do programa tem grande relevância sob outro aspecto. A construção civil foi o segundo setor da economia local que mais fechou vagas em 2016, um total de 12.144 – atrás apenas das 18.579 do segmento de serviços, de acordo com o Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), do Ministério do Trabalho. Segundo Araújo, devem ser geradas cerca de 1 milhão de vagas em todo o País, mas o tamanho de fatia para contemplar Pernambuco ainda vai depender da aprovação dos projetos.

SETOR COMEMORA

O setor imobiliário local recebeu bem a ampliação do Minha Casa Minha Vida para 2017. Mais que uma oferta maior de contratos dentro do programa, a esperança é que a notícia traga mais confiança para o consumidor em geral, aumentando as oportunidades de negócios como um todo e reaquecendo a economia. “O que precisamos hoje em dia é de boas notícias. A necessidade de moradia não deixou de existir, o que estamos passando é um aperto na renda das famílias e, com essas mudanças, espera-se que a economia volte a parecer atrativa para as pessoas terem disposição para comprar”, resume o presidente do conselho consultivo da Ademi-PE, André Callou.

Representantes da entidade, junto ao Sindicato da Indústria da Construção Civil de Pernambuco (Sinduscon-PE), estiveram presentes na cerimônia de divulgação da ampliação do programa, em Brasília. Uma reunião do setor com o ministro das Cidades para definir detalhes dos contratos no Estado também está prevista para os próximos dias.

Callou também garante que o setor empresarial já tem projetos prontos dentro do programa para apresentar ao governo. Por outro lado, a disponibilidade de terrenos viáveis dentro do Recife para imóveis do Minha Casa Minha Vida deve permanecer como uma falha na oferta, já que o solo da cidade torna os custos com a fundação extremamente caros e pouco viáveis para o programa. Assim, os novos projetos devem estar situados em cidades da Região Metropolitana.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM