Jornal do Commercio
MORADIA

Valor de imóveis do Minha Casa Minha Vida poderá chegar aos R$ 300 mil

Nas capitais do Nordeste, a elevação do valor dos imóveis será de R$ 170 mil para R$ 180 mil

Publicado em 07/02/2017, às 13h23

Mudanças no MCMV foram anunciadas nessa segunda-feira (6) pelo Governo Federal / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Mudanças no MCMV foram anunciadas nessa segunda-feira (6) pelo Governo Federal
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O Ministério das Cidades esclareceu que o novo limite nos valores dos imóveis enquadrados no programa Minha Casa Minha Vida poderá chegar a R$ 300 mil. Questionada pelo Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Broadcast), a pasta explicou que a proposta aprovada pelo Conselho Curador do FGTS prevê a possibilidade de ampliação dos valores da tabela das faixas 2 e 3 em até 25%, o que levaria o maior limite de R$ 240 mil para R$ 300 mil. A taxa de juros para aquisição de imóveis nessas condições será de 9,16% ao ano.

O ministério informou ainda que as famílias com renda mensal bruta inferior a R$ 7 mil também podem se beneficiar da compra de imóveis de valor maior, desde que possuam capacidade de endividamento, e também com juros de 9,16% ao ano.

O anúncio da elevação do valor dos imóveis para até R$ 300 mil, bem como a ampliação do teto da renda dos mutuários, foi antecipado pelo Broadcast. O anúncio de segunda-feira (6) confirmou que o valor tabelado dos imóveis em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal subirá de R$ 225 mil para R$ 240 mil.



Já nas capitais da Região Sul e dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, vão de R$ 200 mil para R$ 215 mil, enquanto nas capitais das regiões Centro-Oeste, Nordeste, Norte, a elevação será de R$ 170 mil para R$ 180 mil.

Faixas de renda

O ajuste também elevará o teto das faixas de renda em todos os segmentos em 7,69% com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). A exceção é a faixa 1, que permanecerá em R$ 1,8 mil. Dessa forma, o aumento será de R$ 2,3 mil para R$ 2,6 mil na faixa 1,5; de R$ 3,6 mil para R$ 4 mil na faixa 2, e de R$ 6,5 mil para até R$ 9,0 mil na faixa 3.

A ampliação da faixa 3 equivale à criação de um novo segmento, já que terá particularidades. Os mutuários com renda de R$ 4 mil a R$ 7 mil permanecem com a possibilidade de obter financiamentos a 8,16% ao ano, como era praticado até então. Já os novos beneficiários, com renda entre R$ 7 mil e R$ 9 mil terão taxas de 9,16% ao ano - este segmento que atende a classe média tem sido chamado de "faixa 3 plus" por alguns integrantes do governo ou "faixa 4" por empresários do setor.

 

 

 

 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM